Coronavírus

Internacional Moderna diz que vacinas enviadas ao Japão continham aço

Moderna diz que vacinas enviadas ao Japão continham aço

Farmacêutica disse que erro de produção na Espanha deixou resíduos em alguns lotes, mas que não oferece riscos à saúde

AFP
Mais de 1,6 milhão de doses da vacina da Moderna foram retiradas de circulação no Japão

Mais de 1,6 milhão de doses da vacina da Moderna foram retiradas de circulação no Japão

Jacob King / Ppol via AFP - Arquivo

A Moderna disse nesta quarta-feira (1) que os lotes contaminados de sua vacina contra o coronavírus enviados ao Japão contêm partículas de aço inoxidável e que não espera que isso represente "um risco indevido para a segurança do paciente".

Leia também: OMS analisa nova variante do coronavírus detectada na Colômbia

O laboratório americano enfrenta grandes contratempos no Japão, que suspendeu mais de 1,6 milhão de doses da vacina da Moderna após detectar substâncias estranhas.

As autoridades também investigam a morte de dois homens que receberam doses de um lote contaminado, embora a causa da morte seja desconhecida no momento.

Em um comunicado conjunto com seu parceiro japonês Takeda, a Moderna disse que a contaminação em um dos três lotes suspensos remete a falhas na linha de produção de uma fábrica administrada por sua empreiteira espanhola, ROVI Pharma Industrial Services.

"A rara presença de partículas de aço inoxidável na vacina Moderna Covid-19 não representa um risco indevido para a segurança do paciente e não afeta negativamente o perfil de risco/benefício do produto", indicou o comunicado.

Partículas de metal injetadas em um músculo podem causar uma reação localizada, mas é improvável que causem qualquer outra coisa, acrescentou.

"O aço inoxidável é comumente usado em válvulas cardíacas, próteses articulares, suturas e grampos de metal. Como tal, a injeção das partículas identificadas nesses lotes no Japão não deve resultar em um risco médico aumentado", disse ele.

A Moderna acrescentou que, no momento, não há evidências de que as duas mortes tenham relação com a vacina e "atualmente é considerada uma coincidência". Uma investigação está em andamento.

Cerca de 46% da população do Japão estava totalmente imunizada contra o coronavírus, em um momento em que o país passa por um aumento

Últimas