Moradores de Wuhan têm medo de sair na rua após coronavírus

Cidade é berço da pandemia e está isolada desde o dia 23 de janeiro. Apesar da quarentena só terminar no dia 8, alguns cidadãos tentam retomar a vida

Cidadãos de Wuhan tentam retomar a rotina apesar do medo

Cidadãos de Wuhan tentam retomar a rotina apesar do medo

Roman Pilipey/EFE/EPA - 2.4.2020

Desde o final de janeiro, a cidade de Wuhan, na China, está isolada. A cidade é o berço da pandemia de coronavírus, que já deixou quase 1 milhão de doentes e 50 mil mortos pelo mundo.

Agora, dois meses depois, Wuhan pode retomar a rotina, mas os cidadãos ainda têm medo de sair na rua e ter contato com outras pessoas.

A professora de piano Wang Yu costumava receber os alunos e interessados em aprender a tocar o instrumento em casa, mas agora prefere continuar sem contato com as pessoas até receber as autorizações necessárias e souber que é seguro sair, segundo contou à agência EFE.

Apesar da quarentena oficial em Wuhan continuar até o dia 8 de abril, os cidadãos já podem deixar suas casas e usar o transporte público se tiverem autorizações médicas e um aplicativo de celular que atesta o seu estado de saúde.

Yu ainda está apreensiva em sair até o final da quarentena. “Não acontece nada se você ficar em casa. As pessoas querem sair, claro, mas têm muito medo de aglomerações e que o surto volte”, explica.

"Você precisa aceitar que o vírus não vai desaparecer em breve", acrescenta.

Cidadãos não podiam sair de casa sem passar por pontos de controle

Cidadãos não podiam sair de casa sem passar por pontos de controle

Roman Pilipey/EFE/EPA - 2.4.2020

A quarentena mais rígida do mundo


Em 23 de janeiro, Wuhan proibiu qualquer cidadão de deixar a cidade e ordenou a suspensão de transporte público urbano, metrô, balsa e transporte de passageiros de longa distância.

A decisão da quarentena veio na véspera do Ano Novo Chinês, a principal temporada de festas do país, quando milhões de pessoas viajam para se juntar às famílias em várias partes da China.

Os moradores ficaram confinados, sem poder sair de seus complexos residenciais: na entrada de cada prédio haviam pontos de controle rigoroso que só podiam ser ultrapassados se a pessoa tivesse uma permissão especial para passar.

Quem saiu de qualquer maneira teve que enfrentar as gigantescas cercas de plástico amarelas colocadas nas saídas, pelas quais você não pode subir ou pular.

O pior momento em que Yu se lembra do confinamento ocorreu entre o final de janeiro e o início de fevereiro, quando a incerteza era máxima e o surto estava longe de ser controlado.

"Eu fiz uma cirurgia e não sabia se poderia ir para o período pós-operatório. Fui para o hospital sem para saber se isso me infectaria ", diz ele.

Na época, ela preferia não ler as notícias o tempo todo "para não ficar louca" e decidiu dar aulas de piano online.

"Economizei o suficiente para sobreviver. Agora tenho que ganhar dinheiro para viajar. Quero ir a lugares bonitos, à praia, experimentar nova gastronomia ... Estou começando a sonhar novamente", conta.

Apesar do otimismo com o futuro, a professora acredita que Hubei, a província em que Wuhan está localizada e a mais impactada pelo coronavírus, precisa de um tempo para se recuperar de tudo.

Quarentena na faculdade

Himansu, um estudante de medicina do Nepal na prestigiada Universidade de Ciência e Tecnologia de Huzahong, está - como muitos outros estudantes estrangeiros - trancado em seu dormitório no campus desde o início da quarentena.

"Não voltei ao meu país durante as férias do ano novo chinês e de repente o surto eclodiu. Não conseguimos sair de casa desde então", diz ele.

Seu primeiro medo foi como sobreviver ao confinamento, mas o centro educacional forneceu três refeições gratuitas por dia e permitiu que os estudantes que estavam ali comprassem o que precisavam pela internet.

"Podíamos ir para outras salas para conversar com outros alunos. Alguns estavam com medo, principalmente porque não sabíamos quanto tempo isso ia durar", explica ele.

Com o passar do tempo, o jovem investiu em aulas virtuais e se divertiu o máximo possível, mas a dimensão da pandemia começou a preocupá-lo.

"Eu pensei que a China pudesse conter o vírus. Eu nunca imaginei que isso se tornaria um problema tão grande em todo o mundo", diz ele.

Ele acredita que o país asiático, o primeiro a sofrer os efeitos dos vírus, "sabia como se refazer e implementou medidas que foram aplicadas rigorosamente”.

"Outros países poderiam estar mais bem preparados. Estou preocupado, acima de tudo, com os países pobres, porque eles sofrerão muito", diz ele.

O aluno afirma que, se pudesse, "sairia na rua agora", embora entenda que há pessoas que ainda não querem fazer isso.

"É normal, isso afetou muito psicologicamente. Há esperança, mas é preciso voltar ao normal pouco a pouco", diz ele.