Internacional Negada prisão domiciliar de clérigo sênior do Vaticano acusado de contrabando

Negada prisão domiciliar de clérigo sênior do Vaticano acusado de contrabando

Na avaliação do magistrado, o monsenhor Nunzio Scarano poderia manipular provas ou tentar fugir se fosse solto

Monsenhor Nunzio Scarano é escoltado por policiais após ser preso em Roma

Monsenhor Nunzio Scarano é escoltado por policiais após ser preso em Roma

GUARDIA DI FINANZA / AFP

Clérigo sênior do Vaticano detido sob a suspeita de tentar contrabandear 20 milhões de euros, cerca de R$ 45 milhões para a Itália permanecerá preso porque um juiz italiano rejeitou nesta sexta-feira seu pedido para concessão de prisão domiciliar, segundo fontes judiciais.

Na avaliação do magistrado, o monsenhor Nunzio Scarano, que trabalha no Vaticano, poderia manipular provas ou tentar fugir se fosse solto, segundo as fontes.

Scarano, que foi muito ligado ao banco do Vaticano, foi preso na semana passada na companhia de Giovanni Zito, agente do serviço secreto, e do operador financeiro Giovanni Carenzio.

Clérigo sênior do Vaticano é preso em investigação sobre corrupção

Prisão de padre aumenta pressão por transparência no Vaticano

'Banco do Vaticano' publicará seu balanço na internet, diz presidente do IOR 

Eles eram acusados de tentar levar uma fortuna da Suíça para amigos ricos de Scarano que trabalham no setor naval em Salerno, no sul da Itália. Scarano também está sendo investigado por suspeita de lavagem de dinheiro.

O advogado do religioso disse que irá recorrer da decisão judicial, insistindo para que ele seja transferido para a prisão domiciliar em uma paróquia, convento ou outra instituição religiosa onde possa celebrar missa.

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia