Internacional No 4 de Julho, Biden alerta que covid-19 ainda não foi derrotada

No 4 de Julho, Biden alerta que covid-19 ainda não foi derrotada

Em evento para comemorar o dia da independência do país, o presidente voltou a pedir que os norte-americanos se vacinem

Presidente dos EUA discursou para convidados em um dos jardins da Casa Branca

Presidente dos EUA discursou para convidados em um dos jardins da Casa Branca

Michael Reynolds / EFE - EPA - 4.7.2021

O presidente dos EUA, Joe Biden, alertou neste domingo (4) que o novo coronavírus "ainda não está derrotado", mas afirmou que seu país está "mais perto do que nunca" de se ver livre da doença. Ele discursou diante da Casa Branca, em comemoração ao 4 de Julho, o dia da independência norte-americana.

Leia também: FBI destaca 'amplitude' do ataque cibernético nos EUA

O governante organizou seu primeiro grande evento em Washington, em uma data que o governo considerou propícia para o reencontro dos norte-americanos em família após meses de restrição por conta da pandemia.

"Estamos voltando da escuridão de um ano de pandemia e isolamento", acrescentou o presidente, que declarou a comemoração como "Dia da Independência e da independência da covid-19". Segundo ele, o país "está voltando a se unir", mas não deixou de fazer um alerta.

"Ainda temos muito trabalho pela frente", afirmou Biden, reforçando que o vírus "ainda não foi derrotado" por conta do surgimento de variantes como a Delta, detectada inicialmente na Índia.

Foco na vacinação

Nesse contexto, ele voltou a pedir que os norte-americanos se imunizem, afirmando que "a melhor defesa contra essas variantes é se vacinar".

"Se vocês ainda não se vacinaram, façam isso agora", reforçou o presidente, com um apelo: "não queremos voltar a onde estávamos há um ano".

O jardim sul da residência presidencial recebeu os convidados para um churrasco, um dos costumes mais arraigados entre os norte-americanos para o feriado da independência.

Biden relembrou as mais de 600 mil pessoas que perderam a vida por causa da covid-19 no país, que soma 33,7 milhões de casos positivos da doença, do total de 183,6 milhões registrados em todo o mundo, de acordo com números da Universidade Johns Hopkins.

O governante, que assumiu o poder em 20 de janeiro deste ano, já havia admitido que nesta data não seria possível alcançar sua meta original de vacinar 70% dos adultos norte-americanos com pelo menos uma dose de vacina.

De acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), 67,1% da população maior de 18 anos (cerca de 173,1 milhões de pessoas) já receberam a primeira injeção, e 58,2% dos adultos já estão completamente imunizados.

No total, 54,2% de todos os norte-americanos (cerca de 182,4 milhões de pessoas) receberam uma dose e cerca de 47,4% já concluíram a imunização.

Últimas