Novo Coronavírus

Internacional Noruega pode rejeitar vacinas de Oxford e Johnson

Noruega pode rejeitar vacinas de Oxford e Johnson

Comitê de especialistas afirmam que decisão é por conta do risco de trombose, que é raro; país é único a recusar imunizantes

Comitê norueguês recomendou a recusa de vacinas de Oxford e da Johnson

Comitê norueguês recomendou a recusa de vacinas de Oxford e da Johnson

Fazry Ismail/EFE/EPA - 05.05.2021

Um comitê de especialistas instalado pelo governo norueguês se pronunciou, nesta segunda-feira (10), contra a autorização das vacinas anticovid de Oxford e da Johnson & Johnson, devido ao risco de efeitos colaterais graves, embora raros.

"Nós não recomendamos o uso das vacinas de vetores virais no programa nacional de vacinação", declarou o presidente do comitê, Lars Vorland, ao entregar seu relatório.

"É, certamente, por causa dos efeitos colaterais graves" observados em uma ínfima parte das pessoas que receberam estas vacinas, acrescentou Vorland.

O ministro da Saúde, Bent Høie, que recebeu o relatório, não divulgou a posição do governo. 

Em 11 de março, a Noruega suspendeu o uso da vacina de Oxford para estudar em detalhe seus efeitos colaterais - raros, mas potencialmente graves.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendaram que se continue a usar a vacina de Oxford, considerando que seus benefícios superam os riscos.

A vacina da americana J&J, que não foi enviada para a Noruega, também provocou raros casos de trombose nos Estados Unidos. 

Até agora, a Dinamarca é o único país que renunciou, oficialmente, ao uso das vacinas de Oxford e da J&J.

Últimas