Novo Coronavírus

Internacional Nova Zelândia confina Auckland por 1 semana após novo caso de covid

Nova Zelândia confina Auckland por 1 semana após novo caso de covid

Premiê proibiu reuniões familiares, declarou o uso de máscaras obrigatório e pediu para cidadãos trabalharem de casa

Nova Zelândia decreta confinamento de uma semana em Auckland

Nova Zelândia decreta confinamento de uma semana em Auckland

Reprodução/Pixabay

O governo da Nova Zelândia, um dos países elogiados por sua maneira rápida e eficaz de combater a pandemia da covid-19, declarou neste sábado (27) um bloqueio de sete dias em Auckland, sua cidade mais populosa, ao detectar um caso de covid-19 com origem desconhecida.

A primeira-ministra Jacinda Ardern anunciou que a medida emergencial entra em vigor desde a manhã de domingo, que proíbe reuniões públicas, pede para trabalhar de casa e declara obrigatório o uso de máscara, entre outros regulamentos.

Além disso, a premiê relatou um aumento das restrições, que limitam a capacidade de reuniões públicas, sobre o resto do país.

O confinamento foi decretado após a confirmação hoje de um novo contágio local de uma pessoa que foi ontem à tarde fazer um teste para detectar o vírus e mais tarde foi para a academia e outros locais públicos.

As autoridades sanitárias do país oceânico não conseguiram especificar onde esta pessoa pode ter se infectado. O paciente disse que começou a apresentar sintomas da doença na terça-feira.

Ardern indicou que é "motivo de preocupação" que o paciente tenha portado o vírus por uma semana e não tenha sido colocado em isolamento voluntário.

A diretora geral de Saúde, Ashley Bloomfield, indicou as autoridades testaram os parentes mais próximos.

Na quarta-feira da semana passada, Auckland, com 1,7 milhão de habitantes, encerrou um confinamento de três dias para tentar conter as infecções atribuídas à chamada cepa britânica.

A Nova Zelândia, cujo manejo da pandemia tem sido considerado o melhor do mundo, acumulou um total de 2.372 infecções covid-19 desde o início da pandemia, incluindo 356 casos classificados como prováveis e 26 mortes.

Últimas