Nova Zelândia zera infecções por coronavírus e retoma normalidade

País relaxa medidas de isolamento para nível mais baixo, permitindo que os cidadãos possam voltar ao trabalho e retomar atividades diárias

Jacina Ardern é elogiada por gestão da pandemia

Jacina Ardern é elogiada por gestão da pandemia

Reprodução / Reuters TV

A Nova Zelândia retornará à prática normal depois da meia-noite desta segunda-feira (8), após a nação oceânica informar que não tem mais nenhum caso de infecção pelo novo coronavírus em seu território, anunciou sua primeira-ministra, Jacinda Ardern.

As medidas de isolamento serão rebaixadas ao nível mais baixo, o que, na prática, implica que os cidadãos possam voltar ao trabalho e retomar suas atividades diárias.

"Hoje, 75 dias depois (de declarar o nível mais alto de alerta), estamos prontos" para um retorno à normalidade, declarou a primeira-ministra Jacinda Ardern, cuja gestão da pandemia foi elogiada internacionalmente.

A Nova Zelândia, que até o momento confirmou 1.154 infectados, incluindo 22 mortos, entrou em "emergência nacional" em 25 de março, com apenas 50 infectados.

Restrições rigorosas controlaram pandemia

As medidas de restrição, uma das mais rigorosas implementadas no mundo, permitiram ao país controlar a propagação do vírus, e as autoridades de saúde da Nova Zelândia esperam declarar sua erradicação do território em 15 de junho.

"Estamos confiantes de que eliminamos a transmissão do vírus na Nova Zelândia por enquanto, mas a eliminação não é um ponto no tempo, é um esforço continuado", alertou Ardern, anunciando a retomada da atividade econômica um pouco abaixo dos níveis normais.

O país oceânico, como quase todos os países, foi atingido economicamente pela pandemia que ameaça criar uma profunda crise econômica global.

Para combater esses efeitos, a Nova Zelândia, que reduziu a atividade econômica para um pouco acima da metade de seus níveis normais, aprovou fundos de 12,1 bilhões de dólares neozelandeses (cerca de R$ 36 bilhões), representando 4% do Produto Interno Bruto do país.

"Não estamos imunes ao que está acontecendo no resto do mundo, mas, diferentemente do resto do mundo, protegemos não apenas a saúde dos neozelandeses, mas também começamos nossa recuperação econômica", afirmou Ardern.

Da mesma forma, o Ministério da Defesa anunciou que hoje encerrou o Período Nacional de Transição decretado em 13 de maio, quando o Estado Nacional de Emergência decretou no início da pandemia expirou.

Fronteiras fechadas e monitoramento digital de surtos

Nem tudo, no entanto, voltará ao normal. A Nova Zelândia manterá as fronteiras fechadas, enquanto estuda criar uma "bolha" aérea com a Austrália, embora isso não tenha data para ocorrer.

"Ninguém quer comprometer as realizações dos neozelandeses", disse Ardern, evitando estabelecer um cronograma hipotético.

Um dos aspectos principais desse "novo normal" é o uso de um código QR que deve ser escaneado com o celular na entrada e saída das empresas e permite que as autoridades rastreiem rapidamente se surgir um novo surto.

A Nova Zelândia não detecta nenhum novo caso de infecção por novo coronavírus há mais de 17 dias e, na segunda-feira, suas autoridades de saúde anunciaram o resultado negativo nos testes covid-19 do único paciente remanescente, um caso vinculado a um surto conhecido.

A Nova Zelândia também planeja erradicar o vírus dentro de suas fronteiras até 15 de junho, quando decorrem 28 dias desde o último caso de "infecção local por fonte desconhecida".