Internacional Número de mortos na Síria deve estar perto de 120 mil, diz grupo de direitos humanos

Número de mortos na Síria deve estar perto de 120 mil, diz grupo de direitos humanos

A revolta contra o regime do presidente Bashar al Assad começou em março de 2011

Número de mortos na Síria deve estar perto de 120 mil, diz grupo de direitos humanos

Na imagem, combatentes das tropas governistas comemoram a vitória em Haydariyah

Na imagem, combatentes das tropas governistas comemoram a vitória em Haydariyah

AFP PHOTO/JOSEPH EID

Pelo menos 94 mil pessoas foram mortas durante o conflito de dois anos da Síria, mas o número provável de mortos pode estar próximo de 120 mil, informou o Observatório Sírio para os Direitos Humanos na terça-feira (14).

O grupo disse que pelo menos 41 mil mortes eram de alauítas, seita do presidente Bashar al Assad.

Oposição síria condena vídeo de suposto rebelde arrancando o coração de soldado

EUA aumentarão ajuda a opositores sírios se Assad não participar da conferência

Turquia suspeita da Síria após atentados que deixaram 41 mortos

Rami Abdulrahman, chefe do Observatório, disse que o número de mortes de alauítas foi confirmado por oito fontes diferentes por autoridades da seita em cidades costeiras e em Homs.

O conflito da Síria começou com protestos pacíficos contra o governo de quatro décadas da família Assad, mas se transformou em guerra civil, colocando a maioria sunita contra as minorias, em particular os alauítas, um ramo do islamismo xiita.

"Acreditamos que o número real de mortos de ambos os lados é acima de 120 mil, pois ambos os lados estão sendo discretos em relação às suas baixas", disse Abdulrahman.

A revolta que se transformou em uma guerra civil que, de acordo com a ONU, já deixou 4,2 milhões de deslocados e 1,4 milhão de refugiados.

Além disso, não há informações sobre a situação de 10.000 pessoas mantidas nas prisões do regime, assim como de 2.500 membros das forças favoráveis ao regime que são prisioneiros dos rebeldes, segundo o OSDH.

Conflito na Síria pode gerar guerra regional?

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia