Internacional Operação retira 7 piscinas olímpicas em areia, mas navio continua preso

Operação retira 7 piscinas olímpicas em areia, mas navio continua preso

Apesar de fracasso nas primeiras tentativas de liberar Canal de Suez, equipes acreditam que alta da maré pode ajudar 

  • Internacional | Da AFP

Equipes de resgate mantém otimismo para liberar cargueiro

Equipes de resgate mantém otimismo para liberar cargueiro

Suez Canal Authority/Handout via REUTERS - 28.3.2021

O porta-contêineres Ever Given, de 400 metros de comprimento, permanece bloqueado no Canal de Suez, uma das principais vias de navegação do mundo, mas uma maré alta prevista para a tarde de domingo pode facilitar os trabalhos de desencalhe do cargueiro.

O porta-voz da Autoridade do Canal de Suez (SCA), George Safwat, informou que 27 mil metros cúbicos de areia já foram retirados, a uma profundidade de 18 metros. O volume equivale a 7,2 piscinas olímpicas, se considerarmos as dimensões da piscina principal usa nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, 2016: 50,00m x 25,00m x 3,00m

Novas operações estavam sendo preparadas para tentar retirar o grande navio de seu bloqueio: o Ever Given está retido na diagonal nesta via navegável de 300 metros de largura, uma das mais transitadas do mundo.

O canal de Suez transporta quase 10% do comércio marítimo internacional, e cada dia de bloqueio provoca importantes atrasos e custos para o setor.

Apesar do fracasso da primeira tentativa de liberar o navio na sexta-feira, agora a esperança se concentra na maré alta prevista para as próximas horas e que poderia ajudar as equipes de resgate.

Uma dezena de rebocadores e dragas foram acionados para aspirar a areia de debaixo do cargueiro, cuja proa está presa na margem do canal.

Em uma entrevista a um canal de televisão egípcio no sábado à noite, o almirante Osama Rabie, presidente da Autoridade do Canal de Suez (SCA), afirmou que o navio se "deslocou 30 graus para a direita e a esquerda" pela primeira vez desde o incidente. 

"É um bom indicador", disse, em referência aos esforços para desbloquear o navio. 

Richard Meade, editor da revista especializada Lloyd's List, afirmou no Twitter: "Fontes próximas à operação de resgate me contaram esta manhã que o otimismo da equipe de especialistas aumentou e que tem a esperança de liberar o navio em 24-48 horas". 

Atrasos e custos

O cargueiro, de 220 mil toneladas e 400 metros de comprimento, está bloqueado desde terça-feira na parte sul do Canal de Suez, a poucos quilômetros da cidade de mesmo nome, o que impede o tráfego nesta via que representa mais de 10% do comércio marítimo internacional.

Como resultado, mais de 300 navios estão em um grande engarrafamento nos dois extremos do canal, que liga o Mar Vermelho ao Mar Mediterrâneo.

Cada dia de bloqueio provoca importantes atrasos e custos à indústria. Os primeiros efeitos já foram notados: a Síria afirmou no sábado que começou a racionar a distribuição de combustível pelo atraso na entrega de um carregamento de petróleo. 

As autoridades do canal calculam que o Egito perde entre 12 e 14 milhões por dia com o fechamento, enquanto a revista Lloyd's List avalia que o porta-contêineres bloqueia a cada 24 horas o equivalente a 9,5 bilhões de dólares de mercadorias.

Sites de tráfego marítimo como Vesselfinder e Marine Traffic mostram neste domingo que dezenas de navios aguardam no Golfo de Suez, na zona de espera no meio do canal ou na entrada do Mediterrâneo, próximo de Porto Said. 

As grandes empresas de transporte marítimo Maersk e Hapag-Lloyd afirmaram na quinta-feira que estudavam a possibilidade de alterar a rota de seus navios para o Cabo da Boa Esperança, um desvio de 9.000 quilômetros e pelo menos sete dias a mais de navegação. 

Rabie afirmou que uma possível "falha humana" foi a origem do incidente e que as condições meteorológicas mencionadas inicialmente (fortes ventos e tempestade de areia) não eram a única razão do incidente.

Últimas