Pacientes racistas poderão ter atendimento negado no Reino Unido

"Ser agredido ou abusado não faz parte do trabalho", disse o secretário de saúde do Reino Unido, Matt Hancock 

NHS significa National Health Service ou Serviço Nacional de Saúde

NHS significa National Health Service ou Serviço Nacional de Saúde

REUTERS/Peter Powell

Os funcionários do Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido poderão recusar atendimento não emergencial a pacientes racistas, sexistas, homofóbicos e violentos. "Ser agredido ou abusado não faz parte do trabalho", disse o secretário de saúde do Reino Unido, Matt Hancock ao anunciar um conjunto de novas regras.

Leia mais: Entenda a diferença entre britânico e inglês — e a confusão do Brexit

A permissão valerá também para bullying, assédio ou qualquer tipo de discriminação por parte do paciente e poderá ser aplicada a partir de abril. Hoje, eles podem recusar pacientes agressivos verbalmente ou fisicamente violentos. Para o secretário, "nenhum tipo de abuso ou violência é menor". 

De acordo com o jornal Metro local, uma pesquisa com 569.440 funcionários do NHS feita em 2019, na Inglaterra, apontou que 29% dos trabalhadores foram intimidados, perseguidos ou abusados ​​em um ano. 

Ainda segundo a pesquisa, um em cada sete (15%) que foram atacados fisicamente, o que representa um pequeno aumento em relação ao ano anterior. Quatro em cada dez empregados também se sentiram mal devido ao estresse relacionado ao trabalho, segundo a pesquisa.

A pesquisa descobriu que os funcionários de ambulâncias e de saúde mental ou de incapacidade de aprendizagem foram os mais afetados por abuso e violência.

Outro lado

Uma pesquisa publicada pela Defensoria Parlamentar e de Saúde, uma espécie de fiscal dos serviços do NHS, descobriu que um em cada cinco pacientes com problemas de saúde mental não se sente seguro aos cuidados do NHS.

Mais da metade das pessoas com problemas de saúde mental na Inglaterra também disse que seu tratamento foi atrasado, enquanto 42% disseram que foram diagnosticados tarde demais.

Ataques e violência

Um enfermeiro chamado Colleridge Bessong foi agredido por um paciente conhecido por ser racista. O caso reportado pelo jornal The Guardian conta que ele decidiu processar seu empregador após o ataque porque ele não o protegeu no seu ambiente de trabalho.

Bessong ouviu "você é negro, eu vou te matar" e ainda levou oito socos. Ele conseguiu se afastar do agressor, mas foi ferido e precisou ir ao hospital. O caso ocorreu em 2017 em um hospital para tratar homens com problemas mentais. 

Para o enfermeiro, o paciente era conhecido por um comportamento agressivo e racista, contudo, nenhuma medida foi tomada para evitar uma agressão.