Internacional Padres são presos na Espanha por abuso sexual de adolescente

Padres são presos na Espanha por abuso sexual de adolescente

Arcebispo local se ajoelhou na maior da Catedral da região para pedir perdão pelos "escândalos"

Padres são presos na Espanha por abuso sexual de adolescente

Francisco Javier Martínez, arcebispo de Granada, se ajoelhou para pedir perdão na Catedral local

Francisco Javier Martínez, arcebispo de Granada, se ajoelhou para pedir perdão na Catedral local

EFE

A polícia da Espanha prendeu nesta segunda-feira (24) três sacerdotes e um professor de Religião envolvidos em um suposto caso de abuso sexual de um menor ocorrido em Granada (no sul do país) e pelo qual o próprio papa Francisco chegou a se interessar.

A ação policial tem sua origem na denúncia que um jovem de 24 anos fez a um tribunal local em outubro por supostos abusos que ocorreram quando ele era adolescente e que se prolongaram por vários anos.

Identificado apenas como Daniel, ele escreveu ao papa para contar o caso e em agosto recebeu uma resposta de Francisco perguntando por sua situação e pedindo perdão em nome da Igreja.

Papa destitui bispo paraguaio acusado de proteger padre envolvido em abusos

Apaixonadas por padres, mulheres enviam carta ao papa para pedir o fim do celibato 

Na denúncia apresentada em outubro, o jovem indicava o nome de nove sacerdotes e de dois leigos, dos quais três padres foram apresentados como supostos autores materiais dos abusos e os demais como encobridores ou conhecedores dos fatos. O juiz encarregado do caso já interrogou seis pessoas.

As ações teriam ocorrido em uma casa da província de Granada nas quais se juntavam vários religiosos e laicos católicos e algum menor de idade, como Daniel, que habitualmente ajudava voluntariamente em trabalhos relacionadas à Igreja.

Além do papa, o jovem escreveu ao arcebispo de Granada, Francisco Javier Martínez, que também esteve em contato com o Vaticano por esta denúncia. Durante uma missa de ontem, o arcebispo se ajoelhou na frente do altar maior da Catedral granadina para pedir perdão pelos "escândalos" que afetaram a Igreja, e garantiu durante sua homilia que "é preciso erradicar o mal" de forma decidida caso afete inocentes. 

Papa Francisco fala que viverá por mais "dois ou três anos" e não descarta aposentadoria

Mulher condenada à morte por se tornar cristã deixa Sudão e é recebida pelo papa