Países europeus estudam mais restrições diante do avanço da covid

Organização Mundial da Saúde alertou para aumento de novos casos na região, que registrou 300 mil infecções na semana passada

França adota restrições regionais

França adota restrições regionais

Charles Platiau/Reuters

Vários países europeus estudam medidas mais restritivas contra o coronavírus, mesmo sem descartar novos confinamentos, dada a situação "alarmante" da pandemia no continente, como descreve a OMS (Organização Mundial da Saúde).

O diretor regional da OMS para a Europa, Hans Kluge, alertou na quinta-feira (17) para uma "situação gravíssima" no continente, com aumento semanal de casos de coronavírus superior ao registrado no primeiro pico de março.

Ele indicou que os novos casos reportados na região na semana passada ultrapassaram os 300 mil.

Espanha

A Espanha já registra 625.651 positivos e 30.405 mortes desde o início da pandemia e Madri concentra boa parte deles, com 186.826 casos confirmados por PCR e 15.727 mortes desde o início da crise sanitária, segundo os últimos dados oficiais.

Na sexta-feira (18), o governo de Madri anunciou que vai restringir a mobilidade nas 37 áreas mais afetadas pelo coronavírus a partir de segunda-feira (21).

Os moradores das regiões selecionadas só poderão se deslocar a outros lugares para trabalhar, estudar ou para cumprir obrigações legais, entre outras premissas. 

Os confinamentos seletivos já são uma medida comum em outras regiões da Espanha, como Catalunha ou Aragão, onde o número de infecções se estabilizou.

Reino Unido

Reino Unido tenta evitar novo lockdown

Reino Unido tenta evitar novo lockdown

Toby Melville/Reuters

O ministro da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, admitiu na sexta-feira (18) que o governo conservador não descarta a decretação de um segundo bloqueio nacional para conter o coronavírus, embora este seja o "último recurso".

"Faremos o que for necessário para garantir a segurança dos cidadãos, mas a primeira linha de defesa é respeitar as regras de distanciamento social", disse ele à BBC.

O ministro disse que, como segunda "linha defensiva", está o sistema de detecção e rastreamento de contágio, depois do qual vêm os confinamentos localizados — como o que hoje vigora em partes do nordeste da Inglaterra — e, finalmente, "medidas nacionais", como as aplicadas entre março e maio.

“Não quero que isso aconteça”, e para evitar é importante que “as pessoas se reúnam e reconheçam que estamos diante de um sério desafio”, afirmou.

França

Na sequência de restrições às reuniões públicas em Bordeaux e Marselha, cidades como Lyon e Nice preparam-se para tomar novas medidas face ao avanço "dinâmico e preocupante" da covid-19, cuja taxa de novos casos é de três a quatro vezes superior ao nível de alerta, de 50 casos por 100 mil habitantes.

Prevê-se que as medidas sejam comparáveis ​​às aplicadas em Bordeaux e Marselha no fim de semana passado: proibição de reuniões de mais de dez pessoas em espaços públicos, redução para 1.000 pessoas no limite de afluência a eventos públicos, cancelamento de grandes eventos e outras recomendações, como a suspensão de casamentos ou a limitação de visitas a asilos.

Com a taxa de incidência nacional de 83 casos por 100 mil habitantes, o governo alerta que a circulação do vírus na França é "muito ativa" e embora esteja se expandindo a uma taxa três vezes menor do que na primavera passada, em o pico da epidemia, quer evitar a saturação do sistema de saúde.

Países Baixos

O governo holandês anunciou reforço das medidas para travar as infecções por coronavírus, entre as quais estão previstas restrições regionais de horário e capacidade da indústria hoteleira e mais teletrabalho.

A principal medida afetará o setor de hospitalidade em seis regiões do oeste da Holanda, incluindo a Holanda do Norte e Holanda do Sul, o que significa que os bares terão que começar a diminuir as luzes, desligar a música e impedir o acesso para mais clientes à meia-noite, com o objetivo de esvaziar as instalações uma hora depois.

O número máximo de pessoas que podem estar dentro das instalações passará dos atuais 100 para um máximo de 50 clientes ao mesmo tempo.

As medidas adicionais serão aplicadas principalmente em Amesterdã, Roterdã, Rijnmond, Haia, Utrecht, Haarlem e Leiden e arredores.

As outras 19 regiões holandesas continuam em alerta porque, neste momento, em nenhuma situação é considerada "grave", o degrau mais alto na chamada "regra de escalada".

Israel

Poucas horas antes do início de um segundo bloqueio nacional, Israel mais uma vez ultrapassou 5.000 infecções por dia na quinta-feira (17), enquanto as autoridades alertam que podem apertar as restrições ainda mais se a curva não se achatar.

O país, de 9 milhões de habitantes, registrou 5.238 positivos na quinta-feira, um número muito alto que mostra que a morbidade desta forte segunda onda da covid-19 continua não diminuindo exponencialmente, segundo dados divulgados na sexta-feira pelo Ministério da Saúde.

Israel atingiu uma das maiores taxas de infecção do mundo neste mês. Depois de evitar severas restrições nos últimos meses e tentar baixar a curva sem medidas drásticas, a pandemia continua descontrolada e as autoridades decretaram um novo bloqueio geral que começou na tarde de sexta-feira e vai durar pelo menos menos três semanas.

Bélgica

O Conselho de Segurança Nacional da Bélgica, que decide as medidas a aplicar com base na situação epidemiológica, pretende reunir-se na próxima quarta-feira (23) e terá na mesa os dados que indicam que as novas infecções e hospitalizações por covid-19 continuam a acelerar.

A taxa de infecções por 100 mil habitantes entre 1º e 14 de setembro atingiu 93,9 casos, o que representa um aumento de 66% em relação às duas semanas anteriores.

A capital Bruxelas apresenta em média 209 novos casos por dia, um avanço próximo de 50% em relação à semana anterior, embora seja a província de Liège que apresenta a maior recuperação, quase o triplo da taxa da semana anterior.

O aumento das infecções na Bélgica como um todo é observado "em todas as faixas etárias", especialmente entre os indivíduos de 10 a 19 anos, na qual o número de positivos "dobrou na última semana", e também entre com mais de 60 anos, uma população em que “os casos graves são claramente mais elevados”.

Alemanha

Alemanha viu número de novos casos crescerem nas últimas semanas

Alemanha viu número de novos casos crescerem nas últimas semanas

Kai Pfaffenbach/Reuters

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, tem apelado à responsabilidade da população perante o aumento das infecções diárias no país, com quase 2.000 nas últimas 24 horas.

Spahn lembrou que entre todos e "com grande esforço" tem sido possível controlar a dinâmica do crescente número de novas infecções em relação ao regresso ao país de viajantes com destinos de férias no exterior.

Agora, o aumento de novas infecções tem origem dentro do país, precisamente em eventos "em que este vírus, como os outros vírus, se transmite particularmente bem", como festas, festas familiares, casamentos, encontros religiosos e possivelmente em espaços confinados ”, o que o levou a insistir na necessidade de regras de distanciamento aparentemente“ banais, mas muito eficazes ”, medidas de higiene e uso de máscara em espaços fechados e quando a distância não pode ser mantida.

República Tcheca

A República Tcheca, com 3.130 novas infecções nas últimas 24 horas, registrou o maior número de positivos para covid-19 desde o início da pandemia.

Desde sexta-feira, os eventos coletivos são proibidos em espaços fechados de acesso público para mais de 10 pessoas em pé, com exceção de exposições e feiras.

O uso de máscara também se tornou obrigatório nas escolas, inclusive nas salas de aula.