Internacional Palestino morre em ação de Israel na fronteira com Gaza

Palestino morre em ação de Israel na fronteira com Gaza

Incidente representa a primeira denúncia de violação do cessar-fogo

  • Internacional | com R7

Um agricultor palestino de 21 anos morreu e oito ficaram feridos nesta sexta-feira (23) na zona leste da Faixa de Gaza por disparos de soldados israelenses localizados do outro lado da fronteira, informou o porta-voz do Ministério da Saúde, Ashraf al Qedra. 

O incidente, não confirmado pelo Exército israelense, mas que representa a primeira denúncia de violação da trégua pactuada na quarta-feira (21), aconteceu no leste da cidade de Jan Yunes quando os agricultores trabalhavam em suas terras.

Qedra disse aos jornalistas que oito dos agricultores ficaram feridos e foram levados para o hospital Nasser de Jan Yunis.

Várias testemunhas explicaram que um grupo de agricultores das aldeias de Al Garara e Abasan foi esta manhã para suas terras perto da fronteira com Israel e que soldados abriram fogo contra eles.

Qedra destacou que na quinta-feira (22) uma pessoa ficou ferida em circunstâncias similares.

Cessar-fogo

O cessar-fogo entre Israel e Hamas foi obtido depois de intensos esforços diplomáticos do Egito e dos Estados Unidos e entrou em vigor às 19h de quarta-feira. 

O primeiro-ministro do Hamas na Faixa de Gaza, Ismail Haniyeh, pediu na quinta-feira às diferentes facções palestinas que respeitem a trégua estabelecida com Israel.

"Saúdo as facções da resistência que têm respeitado o acordo desde que entrou em vigor e peço a cada uma que a respeitem", disse Haniyeh em um discurso na cidade de Gaza.

Mais cedo, o ministro da Defesa israelense, Ehud Barak, mencionou a possibilidade de Israel retomar os ataques se o Hamas não respeitar o cessar-fogo.

Gaza retoma suas atividades após oito dias de bombardeios

Israel prende 55 palestinos na Cisjordânia por terrorismo

"O cessar-fogo pode durar nove dias, nove semanas ou mais, mas se não durar nós saberemos o que temos que fazer e, neste caso, nós consideramos naturalmente a possibilidade de retomar nossas atividades (militares) em caso de disparos ou de provocações", advertiu Barak na rádio pública.

Quer ficar bem informado? Leia mais

O que acontece no mundo passa por aqui

Últimas