Palestinos rejeitam acordo entre Israel e Emirados Árabes

'Este passo enfraquece a iniciativa pela paz árabe, as decisões dos líderes árabes e islâmicos, a legitimidade internacional', disse o presidente

Presidente Mahmoud Abbas rejeitou acordo entre Israel e Emirados Árabes

Presidente Mahmoud Abbas rejeitou acordo entre Israel e Emirados Árabes

ALAA BADARNEH/ EPA/ EFE/ 19.05.2020

A Autoridade Nacional Palestina anunciou nesta quinta-feira (13) que rejeitou "vigorosamente" o acordo histórico entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, após reunião de emergência convocada pelo presidente Mahmoud Abbas.

"Este passo enfraquece a iniciativa pela paz árabe, as decisões dos líderes árabes e islâmicos, a legitimidade internacional e a agressão contra o povo palestino", afirmou.

Segundo Abu Mazen, que convocou a reunião emergencial com a Liga Árabe e a Organização para a Cooperação Islâmica, os Emirados Árabes Unidos não têm o direito de falar em nome dos palestinos.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, por sua vez, classificou a assinatura do acordo como "um momento histórico" para a paz na região.

"Tenho o privilégio de assinar o terceiro acordo de paz com um país árabe, depois do de Begin com o Egito (1979) e de Rabin com a Jordânia (1994)", afirmou.

Netanyahu ainda disse estar convencido de que outros países árabes farão parte do acordo e exaltou os investimentos econômicos para os dois países. "As anexações estão sempre sobre a mesa mesmo que [Donald] Trump tenha dito para esperar", finalizou o premier israelense.