Coronavírus

Internacional Panamá vetará entrada de passageiros da América do Sul

Panamá vetará entrada de passageiros da América do Sul

Decisão foi tomada após residente do país dar positivo para covid-19 e registrar primeiro caso com variante brasileira 

  • Internacional | Da EFE

Panamá vai vetar entrada de passageiros vindos da América do Sul

Panamá vai vetar entrada de passageiros vindos da América do Sul

Albert Gea/Reuters - 23.3.2021

Autoridades do Panamá informaram no sábado (28) que foi identificado um caso da variante brasileira do novo coronavírus em uma paciente procedente do Brasil, motivo pelo qual o governo suspenderá, temporariamente e a partir de quarta-feira, a entrada de pessoas que tenham permanecido ou passado pela América do Sul.

A paciente é uma mulher estrangeira de 38 anos e que reside no Panamá. Ela "viajou ao país de origem (sul-americano), de onde foi para o Brasil e, posteriormente, ao retornar ao Panamá, realizou um teste que deu positivo e, pelos antecedentes, foi feito o sequenciamento" do coronavírus, informou o Ministério da Saúde.

Em vídeo oficial, o ministro da Saúde panamenho declarou que a variante brasileira "é muito mais agressiva e virulenta do que as já detectadas".

A variante P1 do Sars-CoV-2, coronavírus que causa a covid-19, "pode ser duas vezes mais transmissível e escapar da resposta imunológica, assim como afetar os jovens, e diminui em 30% a eficácia da vacina", analisou a pasta em comunicado.

Por esse motivo, o governo decidiu que a partir deste domingo é obrigatório "para todas as pessoas que chegam de países sul-americanos ou que estiveram nos últimos 15 dias nesta área do continente, que sejam testadas antes do registro na Imigração", explicou Sucre.

A partir da próxima quarta-feira, "só os cidadãos e residentes da República do Panamá provenientes destas zonas poderão entrar no país, os quais deverão cumprir rigorosamente o protocolo estabelecido pelo Ministério da Saúde", acrescentou o ministro.

"Recomenda-se a todos os panamenhos que evitem fazer qualquer tipo de viagem aos países sul-americanos", acrescentou Sucre, que insistiu para que a população siga "rigorosamente" as regras de biossegurança e advertiu que o governo vai "reforçar a vigilância epidemiológica e as medidas, se necessário".

O Panamá abriu as fronteiras aéreas à aviação comercial e internacional, e portanto ao turismo, em outubro do ano passado, após sete meses fechadas.

Números da covid-19

As autoridades panamenhas reportaram nas últimas 24 horas 480 novos casos de covid-19 e três mortes, elevando para 353.497 contágios e 6.090 óbitos o total desde o início da pandemia.

Nas últimas 24 horas foram aplicados 8.961 testes. O país mantém uma taxa de positividade de 5,3%, enquanto a taxa de letalidade permanece entre as mais baixas da região, com 1,7%.

Entre os infectados, 4.424 estão em isolamento doméstico, 4.217 estão em casa e 207 em hotéis. Os hospitais somam 604 pacientes internados com covid-19, dos quais 508 estão em leitos de enfermaria e 96 em unidades de terapia intensiva (UTI).

O Panamá iniciou a campanha nacional de vacinação no dia 20 de janeiro e já aplicou 352.876 doses a grupos prioritários, todas da Pfizer.

A meta do governo é vacinar 84% dos 4,2 milhões de habitantes, de acordo com dados oficiais. O país comprou 3 milhões de doses da Pfizer, 1.092.000 da AstraZeneca, 300 mil da Johnson & Johnson, e 1.112.410 do consórcio Covax Facility.

Últimas