Pandas voltarão à China após escassez de bambu em zoológico

Apesar do alimento ser importado ao Canadá, os atrasos das encomendas estragam o vegetal e os pandas se recusam a comer por não estarem frescos

Voos que traziam bambu fresco para os pandas foram cancelados

Voos que traziam bambu fresco para os pandas foram cancelados

Calgary Zoo/Handout via REUTERS/ 13.05.2020

Incapaz de importar bambu suficiente devido aos transtornos causados pelo coronavírus, o Zoológico de Calgary, no Canadá, está enviando dois pandas gigantes de volta à China anos antes do programado.

Leia mais: Brasil e Argentina abrem fronteira para transferência de elefanta

Er Shun e Da Mao voltarão ao país asiático em que o bambu é abundante. Pandas gigantes consomem 40 quilos de bambu, que compõe 99% de sua dieta, por dia, disse o zoológico.

Antes da pandemia, o bambu era enviado de avião diretamente da China para Calgary, mas estes voos foram cancelados, forçando o zoológico a encontrar novas maneiras de importar o alimento.

Atualmente, as remessas atrasam com frequência, o que resulta em bambu de má qualidade que os pandas se recusam a comer.

O zoológico acredita que uma segunda onda de Covid-19 é provável e que pode cortar completamente o suprimento alimentar dos pandas.

"Acreditamos que o lugar que é melhor e mais seguro para Er Shun e Da Mao durante esta época desafiadora e inédita é onde o bambu é abundante e de fácil acesso", disse o presidente e CEO do Zoológico de Calgary, Clément Lanthier, em um comunicado.

Er Shun e Da Mao chegaram em solo canadense em 2014 como parte de um acordo de 10 anos entre o Canadá e a China. Depois de passarem cinco anos no Zoológico de Toronto, os dois pandas gigantes adultos chegaram ao Zoológico de Calgary em março de 2018 com os filhotes Jia Panpan e Jia Yueyue.