Coronavírus

Internacional Pandemia destruiu 1/3 dos empregos na América Latina

Pandemia destruiu 1/3 dos empregos na América Latina

Organização Internacional do Trabalho estima que 80 milhões de vagas tenham sido comprometidas na região no segundo trimestre deste ano

  • Internacional | Da EFE

Brasil pode ter perdido cerca de 10% dos empregos, estima OIT

Brasil pode ter perdido cerca de 10% dos empregos, estima OIT

Leandro Ferreira /Fotoarena/Folhapress

Os confinamentos e outras medidas de combate à pandemia da covid-19 causaram uma perda de horas de trabalho na América Latina equivalente a 80 milhões de empregos no segundo trimestre, ou 33,5% do total, de acordo com um estudo divulgado nesta quarta-feira (23) pela OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Em termos relativos, a América Latina foi a região do mundo que mais empregos perdeu entre abril e junho, bem acima da média mundial (17,3%), e acumulou quase um sexto do equivalente a 495 milhões de empregos perdidos em todo o mundo.

A OIT também espera que os países latino-americanos continuem sendo afetados pela perda de empregos em decorrência da pandemia durante o terceiro trimestre, estimando que o declínio anual para a região será de 25,6%, o equivalente a 60 milhões de empregos.

Em termos absolutos, a maior perda de horas de trabalho no segundo trimestre ocorreu no sul da Ásia, onde foi equivalente a 170 milhões de empregos e ainda irá atingir 115 milhões no terceiro trimestre, segundo projeções da agência.

Leia também: Desemprego no Brasil cresce e atinge 12,9 milhões em agosto

Embora a OIT não tenha fornecido informações detalhadas sobre cada país, destacou que a perda de horas de trabalho em países como os Estados Unidos ou Brasil atingiu 10% e em muitos outros da América Latina (México, Chile, Equador, Colômbia, Costa Rica) estava na faixa de 20%.

O mais dramático é o caso do Peru, um dos países com mais casos de covid-19 no mundo e com alta prevalência de empregos informais, onde se estima que a perda anual de horas de trabalho superou 50% entre os meses de abril e junho.

Últimas