Novo Coronavírus

Internacional Para vencer covid-19 é preciso combater desigualdades, diz OMS

Para vencer covid-19 é preciso combater desigualdades, diz OMS

Países precisam prestar mais atenção e priorizar o diagnóstico e o cuidado dos mais vulneráveis, avisou o diretor-geral da organização 

  • Internacional | Do R7

Trabalho de desinfeção de campo de refugiados no Líbano, durante a pandemia de coronavírus

Trabalho de desinfeção de campo de refugiados no Líbano, durante a pandemia de coronavírus

Aziz Taher / Reuters - 23.3.2020

Os países precisam prestar mais atenção e priorizar o diagnóstico e o cuidado dos mais vulneráveis, avisou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira (6). Segundo ele, a pandemia provocada pelo novo coronavírus não será vencida enquanto as desigualdades que a cercam não forem resolvidas.

Segundo Tedros Adhanom, crises como essa trazem luz às diferenças e desigualdades sociais em cada país, o que fica evidenciado no número de internações e de mortos de certas populações. Um exemplo vem de Nova York, nos EUA, onde negros e latinos são as maiores vítimas do coronavírus.

VEJA TAMBÉM: Falta de dados dificulta combate ao coronavírus em favelas no mundo

Segundo a OMS, o coronavírus já deixou mais de 3,5 milhões de casos e quase 250 mil mortos no mundo. Por dia, são registrados cerca de 80 mil novas infecções.

Desde janeiro, quando a doença começou a se espalhar pelo mundo, a organização está colaborando com governos locais para entregar equipamentos necessários para o combate do covid-19 e ajudar no sistema de saúde básico, mas essa ajuda ainda não é o suficiente para atender todo mundo.

Relaxamento de quarentenas

Espanha é um dos países que ensaiam isolamento mais suave

Espanha é um dos países que ensaiam isolamento mais suave

Borja Suarez/Reuters - 2.5.2020

Na Europa e em parte da Ásia, o coronavírus está desacelerando e os países estão começando a relaxar as restrições e permitindo que os cidadãos retomem a rotina.

Porém, o cenário não é uniforme no mundo todo. Enquanto nas áreas mais afetadas a doença se estabiliza, novos casos são reportados diariamente no Leste Europeu, África, Sudeste Asiático, Mediterrâneo e nas Américas. Muitos países ainda nem alcançaram o pico.

Enquanto ainda é cedo para falar de reabertura da economia e suspensão das quarentenas em parte do mundo, a OMS já traça diretrizes para auxiliar os países que estão retomando a rotina, como: garantir que a vigilância está forte e que o número de casos está caindo e as transmissões estão controladas; garantir que os sistemas de saúde conseguem detectar, isolar, testar e tratar todos os casos, além de rastrear os contatos; que os riscos de uma nova transmissão em massa foram minimizados em lugares como centros médicos e casas de apoio; que ambientes de trabalho, escolas e outros locais essenciais tenham medidas de prevenção; controle dos casos importados; e que as comunidades estejam conscientes, educadas e preparadas para se adaptar ao “novo normal”.

Segundo o Tedros, existe, sim, um risco de novas quarentenas caso esses países não consigam controlar a doença com cuidado.

Pensando no futuro

Enquanto o coronavírus ainda é uma crise real e vigente, é necessário criar as bases para evitar uma nova pandemia, alertou Tedros, e disse que essa é uma oportunidade para fortalecer os sistemas de saúde pelo mundo.

“Se nós aprendemos uma coisa com o covid-19, é que é necessário investir agora em saúde para salvar vidas depois”, disse.

"A História vai nos julgar não apenas pela forma pela qual passamos pela pandemia, mas também pelas lições que aprendemos e pelas ações que tomamos quando ela acabar."

Últimas