Internacional Parte intacta de prédio que desabou em Miami será demolida

Parte intacta de prédio que desabou em Miami será demolida

Bombeiros retiraram mais duas vítimas dos escombros neste sábado e total de mortos chegou a 24, com 124 desaparecidos

AFP
Especialistas podem antecipar a demolição do restante do prédio em Miami

Especialistas podem antecipar a demolição do restante do prédio em Miami

Michael Reaves / Getty Images via AFP - 3.7.2021

O número de mortes no desabamento parcial de um prédio em Miami Beach, na Flórida (EUA), subiu para 24 neste sábado (3), após a descoberta de dois novos corpos nos escombros. Espera-se que a demolição do restante da estrutura ainda de pé seja adiantada, de olho na chegada da tempestade Elsa nos próximos dias, informaram autoridades locais.

Leia também: Socorrista encontra corpo da filha sob escombros de prédio em Miami

"Nossas equipes encontraram duas novas vítimas, agora há um total de 24 mortos e 124 desaparecidos", disse a repórteres a prefeita do condado de Miami-Dade, Daniella Levine Cava.

A maior parte do edifício de 12 andares do complexo "Champlain Towers South", localizado na pequena cidade de Surfside, desabou parcialmente na madrugada de 24 de junho.

Demolição será adiantada

A parte do prédio que ainda está de pé será demolida antes do previsto, pois as autoridades temem que caia com a chegada da tempestade Elsa, atualmente no Caribe como um furacão de categoria 1, que ameaça a segurança das equipes de resgate.

Sem comunicar uma data específica, o governador da Flórida, Ron DeSantis, havia dito anteriormente que o prédio deveria ser demolido antes da chegada de Elsa, que deve atingir a Flórida na noite de segunda para terça-feira.

Até então, as autoridades alertavam que a demolição programada poderia levar semanas.

"Destruir este prédio é seguro, já que uma tempestade está chegando e teríamos que fazer isso de qualquer maneira", garantiu DeSantis.

A demolição "só levará a uma interrupção mínima" da busca por sobreviventes, disse o governador republicano.

Isso pode ser feito "em 36 horas", e as buscas devem parar "um pouco mais cedo" e retomar "um pouco mais tarde".

Por outro lado, outra preocupação é a detecção de muitos casos de covid-19 entre uma das equipes de resgate, anunciou na sexta-feira Alan Cominsky, chefe dos bombeiros de Miami.

Últimas