Partido Trabalhista apoiará eleição antecipada no Reino Unido

Jeremy Corbyn afirmou que seu partido está pronto para uma eleição. 'Esta é uma oportunidade de dar um fim à confusão criada pelos conservadores'

Corbyn se reuniu com os principais deputados do partido

Corbyn se reuniu com os principais deputados do partido

ANDY RAIN/EPA - EFE - 29.10.2019

O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, decidiu aceitar nesta terça-feira (29) a antecipação das eleições gerais britânicas, após ser informado que um Brexit sem acordo foi descartado.

Corbyn se reuniu com os principais deputados do partido antes que o primeiro-ministro, Boris Johnson, apresentasse ao Parlamento um projeto de lei que o permita realizar eleições no dia 12 de dezembro.

O premiê não conseguiu antecipar a eleição na noite passada por não receber o apoio de dois terços da Câmara dos Comuns (câmara baixa do Parlamento), como é exigido pela legislação eleitoral. Sendo assim, hoje optará por uma "lei curta", cuja aprovação só exigirá o apoio de uma maioria simples.

Brexit prorrogado para 31 de janeiro

A União Europeia (UE) confirmou ontem que aceita conceder ao Reino Unido uma prorrogação da saída do bloco europeu até 31 de janeiro do ano que vem, após avaliar o pedido feito por Johnson — em carta que não assinou — em 19 de Janeiro.

Corbyn disse que o Partido Trabalhista está preparado para uma eleição, mas que o apoio está sujeito à garantia de que não haverá um Brexit sem acordo.

"Soubemos agora pela União Europeia que a prorrogação (adiamento) do artigo 50 (da saída britânica) foi confirmada, assim a nossa condição de tirar da mesa (uma saída) sem acordo foi cumprida. Vamos lançar a campanha mais ambiciosa e radical para uma mudança real" no Reino Unido, disse Corbyn, em referência às eleições.

O grupo "Momentum", que reúne as bases do Partido Trabalhista, afirmou pelo Twitter que o partido "apoia oficialmente as eleições".

Brexit: o que acontece agora?

"Esta é uma oportunidade única de dar um fim à confusão criada pelos conservadores e restaurar a esperança para milhões de pessoas", argumentou.

O prefeito de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, disse na mesma rede social que a única maneira de resolver a "confusão do Brexit" é dar aos eleitores a última palavra, e pediu que a votação seja permitida aos jovens de 16 e 17 anos, por considerar que eles serão os mais afetados pela saída do bloco.

O projeto de lei que Johnson apresentará nesta terça-feira será debatido pelos deputados e, na sequência, haverá uma votação. O Governo está confiante que a legislação passará por todos os trâmites parlamentares nesta semana.