Coronavírus

Internacional Passageira procedente dos EUA é 1º caso da variante Delta no Chile

Passageira procedente dos EUA é 1º caso da variante Delta no Chile

Ministro da Saúde chileno, Enrique Paris, informou que a mulher de 43 anos está isolada na cidade de Talca, no sul do país

A mulher de 43 anos está isolada na cidade de Talca, no sul do país

A mulher de 43 anos está isolada na cidade de Talca, no sul do país

EFE/ Alberto Valdés

O Chile confirmou nesta quinta-feira (24) o seu primeiro caso da variante Delta do novo coronavírus em uma mulher de 43 anos que chegou dos Estados Unidos e está isolada no sul do país.

O ministro da Saúde chileno, Enrique Paris, explicou a parlamentares que a paciente chegou ao Chile com um exame de PCR negativo, o que abre a possibilidade de o contágio ter ocorrido no aeroporto americano no qual embarcou.

Leia mais: Após parte de edifício desabar na Flórida, 51 estão desaparecidos

Tanto ela como a família estão em observação na cidade de Talca, para onde foi ao término da quarentena obrigatória de viajantaes em Santiago e onde também foi registrado o primeiro caso de covid-19 no país, em 3 de março de 2020.

As fronteiras do Chile estão fechadas desde abril para turistas, cidadãos e estrangeiros residentes, exceto para viagens de emergência.

Paris explicou que essa variante, identificada pela primeira vez na Índia, é "muito contagiosa, muito potente" e "aumenta a possibilidade de internação e infecção".

Com mais de 1,52 milhões de infectados e 31.746 mortes desde o início da pandemia, o Chile atravessa desde março uma segunda onda de contágios que levou o sistema hospitalar ao limite e obrigou outro confinamento em toda a capital.

Leia mais: Trem leva serviços de saúde à população pobre na África do Sul

A onda de contágios ocorre mesmo com o bem-sucedido processo de imunização contra a covid-19. Atualmente, o Chile já vacinou mais de 980% da população-alvo (15,2 dos 19 milhões de habitantes).

A variante Delta está se tornando a versão dominante do coronavírus no mundo todo e já circula em pelo menos 92 países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Últimas