Pastores são presos em Uganda por evangelizar durante a pandemia

O governo local havia fechado as igrejas e hotéis da cidade de Mbarara após a notificação de dois casos do novo coronavírus na população

Enfermeira na África orienta pacientes sobre os cuidados com a covid-19

Enfermeira na África orienta pacientes sobre os cuidados com a covid-19

Reprodução/ Reuters/ 27.08.2020

A polícia da cidade de Mbarara prendeu dois pastores da Igreja Fonte de Cura por conduzir um culto religioso, causando a reunião de pessoas, o que é contrário às diretrizes do covid-19 vigentes no país. A informação é do jornal The Independent, de Uganda.

Após a confirmação dos casos de covid-19 em Uganda, o presidente, Yoweri Museveni, ordenou o fechamento de todos os locais de culto para garantir o distanciamento social e evitar a propagação do coronavírus. 

Os pastores, Masengo Rugabirwa e Ntungane Patrick, foram encontrados em sua igreja localizada em Katete, divisão Kakoba, cidade de Mbarara com cerca de 20 de seus fieis.

Samson Kasasira, porta-voz da Polícia Regional de Rwizi, disse que a polícia foi notificada por vizinhos. Kasasira afirma que os suspeitos serão acusados ​​de desobediência à ordem legal e de negligência, podendo ajudar a disseminar a doença.

Ele disse que os 22 suspeitos estão detidos na Delegacia Central de Polícia de Mbarara enquanto as investigações começam.

A prisão aconteceu depois que dois casos confirmados de covid-19 foram relatados em Mbarara, levando ao fechamento de cinco hotéis.

Líderes religiosos em várias ocasiões apelaram ao governo para abrir igrejas, para que as pessoas implorassem a Deus por misericórdia enquanto o país diminuía o bloqueio.

Eles também elaboraram procedimentos operacionais padrão para orientar o governo na reabertura das igrejas.