Internacional Pegasus: EUA incluem fabricante do programa espião em 'lista negativa'

Pegasus: EUA incluem fabricante do programa espião em 'lista negativa'

Empresa israelense é considerada 'risco à segurança nacional' após divulgação de que software foi usado para espionagem

AFP
Programa de espionagem Pegasus foi usado contra ativistas e jornalistas

Programa de espionagem Pegasus foi usado contra ativistas e jornalistas

JOEL SAGET / AFP

O Departamento de Comércio dos EUA anunciou, nesta quarta-feira (3), a inclusão do Grupo NSO, a empresa israelense que fabrica o software de espionagem Pegasus, em sua lista de empresas proibidas, por representar uma ameaça à segurança nacional.

Leia também: Caso Pegasus: 17 jornalistas de 7 países apresentam denúncia

A NSO foi exposta em julho deste ano, depois que investigações publicadas por um consórcio de 17 veículos de comunicação internacionais revelaram que o Pegasus teria permitido espionar os números de jornalistas, políticos, ativistas e líderes empresariais de vários países.

Os telefones infectados com Pegasus se tornam dispositivos espiões de bolso. Permitem que o usuário leia as mensagens da pessoa afetada, veja suas fotos, saiba sua localização e até ligue a câmera sem que ela saiba.

"Essas ferramentas permitiram que governos estrangeiros aplicassem repressão transnacional, que é a prática de governos autoritários para seguir dissidentes, jornalistas e ativistas fora de suas fronteiras para silenciar a dissidência", disse o Departamento de Comércio em um comunicado.

Washington também pôs na lista a empresa israelense Candiru, a Computer Security Initiative Consultancy PTE (COSEINC), de Singapura, e a empresa russa Positive Technologies.

A inclusão destas empresas implica que as exportações que poderiam receber de organizações americanas ficam restringidas. Agora, é muito mais difícil, por exemplo, para as partes americanas venderem informações, ou tecnologia, para estas companhias.

Procurado pela AFP, o Grupo NSO não comentou a notícia.

Últimas