Guerra civil na Síria: veja a cobertura completa
Internacional Pentágono diz que ataque dos EUA na Síria atingiu todos os alvos

Pentágono diz que ataque dos EUA na Síria atingiu todos os alvos

Mísseis foram lançados em Homs e Damasco e tiveram como objetivo impedir o uso de armas químicas pelo governo de Bashar al-Assad

Mais de 100 mísseis foram lançados em três pontos das cidade de Homs e Damasco e tiveram como objetivo impedir o uso de armas químicas pelo governo de Bashar al-Assad

Pentágono afirma que ataque atingiu todos os alvos

Pentágono afirma que ataque atingiu todos os alvos

Reprodução/Hassan Ammar/Associated Press/Estadão Conteúdo

Em coletiva de imprensa na manhã deste sábado (14), o Pentágono afirmou que o ataque liderado pelos Estados Unidos na Síria atingiu todo os alvos. O objetivo da operação, que contou com o lançamento de mais de 100 mísseis, foi deixar claro ao governo de Bashar al-Assad que o uso de armas químicas não será tolerado.

De acordo com o tenente-general do Corpo de Fuzileiros Navais, Kenneth F. McKenzie, os ataques foram precisos, esmagadores e eficazes. Ele também classificou a queda de 13 mísseis pela defesa síria como "ineficaz" e informou que nenhuma aeronave aliada usada durante a operação foi comprometida.

Apesar de considerar que os bombardeios afetaram significativamente o potencial sírio de produzir armas químicas, McKenzie disse que ainda não têm conhecimento de vítimas civis em decorrência do ataque. Os miseis atingiram três pontos nas cidades de Damasco e Homs.

A porta-voz do Pentágono, Dana W. White, declarou aos repórteres presentes que "o uso de armas química em qualquer lugar do mundo é uma violação injustificável da lei internacional e os Estados Unidos não vai tolerar isso." Ela acrescentou que o ataque em Douma necessitava de uma resposta rápida.

Dana também classificou o apoio da França e do Reino Unido como um ato de "solidariedade" e disse que os Estados Unidos foram "encorajados pelos suporte que receberam de senadores e congressitas de ambos os lados".

Questionada sobre o fato das autoridades não terem apresentado as evidências de que o governo de Bashar al-Assad estaria envolvido no ataque químico do dia 7 de abril, a porta-voz disse que isso tem a ver com informação sigilosa e que o objetivo na região continua sendo o de derrotar o Estado Islâmico.

A operação militar contra o regime sírio é a segunda feita durante a gestão do presidente Donald em pouco mais de um ano. De acordo com o Pentágono, a ofensiva deste sábado usou aproximadamente o dobro da quantidade de armas empregadas em 6 de abril de 2017.

Confira abaixo as imagens do ataque liderado pelos Estado Unidos na Síria: