Novo Coronavírus

Internacional Peru amplia quarentena até 24 de maio, mas relaxa toque de recolher

Peru amplia quarentena até 24 de maio, mas relaxa toque de recolher

Presidente do país afirmou que apesar da redução do contágio, ele espera baixar o número ainda mais antes de suspender o isolamento social

  • Internacional | Da EFE

Pacientes aguardam no Hospital Regional de Iquitos, na selva amazônica peruana

Pacientes aguardam no Hospital Regional de Iquitos, na selva amazônica peruana

Ginebra Peña/EFE/ 07.05.2020

O presidente do Peru, Martín Vizcarra, ampliou nesta sexta-feira (8), o estado de emergência até 24 de maio para reduzir a taxa de contágio do coronavírus SARS-CoV-2 (causador da doença da covida-19). Já o toque de recolher passa a vigorar a partir das 20h, duas horas depois do que era anteriormente.

Leia mais: Brasileiro agradece à embaixada brasileira antes de deixar Peru

Em uma apresentação do Palácio do Governo, Vizcarra declarou que "precisamos prolongar o estado de emergência por mais duas semanas, até domingo (24), porque não seria responsável da nossa parte liberar, quando estamos com uma taxa de contágio maior que um. Isso causaria um novo crescimento do contágio", disse.

A validade da quarentena expira no próximo domingo (10), mas, como a curva de contágio continua subindo, vários ministros de Estado, como os da Defesa e do Interior, anunciaram que ela deveria ser prorrogada, principalmente devido ao percentual de não adoção do isolamento de 40% da população em algumas regiões.

A decisão vai na mão contrária das solicitações de associações e analistas de negócios, que defendiam suspender a exigência de isolamento social obrigatório para evitar um revés ainda maior para a economia.

Diminuição do contágio

O chefe de estado explicou que, no início do estado de emergência, decretado em 15 de março, a taxa de contágio era de três, ou seja, cada paciente podia infectar outras três pessoas, mas com as medidas de quarentena e o toque de desde então, a taxa caiu para pouco mais de um.

No entanto, ele acrescentou que o esforço feito até agora para reduzir a taxa de contágio para menos de um deve ser mantido.

"Atualmente, com essa imobilização social, cada pessoa que tem um vírus infecta um, e não três, como era no início. Esse esforço conseguiu reduzir a taxa de contágio para 1,1 ou 1,2", disse ele.

O presidente declarou que "todos nós sofremos esses 54 dias de estado de emergência. Não há ninguém que tenha passado por um momento difícil, todos temos dificuldades, mas, para que valha a pena, precisamos fazer um esforço adicional para reduzi-lo a menos de um".

Toque de recolher

Vizcarra, acompanhado por seus ministros, explicou que uma das modificações no estado de emergência, a partir de segunda-feira (11), será o tempo da imobilização obrigatória aplicada à noite em nível nacional, com exceção das regiões de Loreto, Tumbes, Piura, Lambayeque e La Libertad.

"A partir de segunda-feira, a imobilização obrigatória das 6 horas ocorre até as 8 da noite. Poderemos fazer transações ou compras financeiras até as 8 da noite", informou.

Essa medida permitirá que a atenção dos bancos seja pelo menos até as quatro da tarde e das instalações comerciais até as seis, a fim de evitar multidões em alguns dos pontos identificados como as maiores fontes de contágio de vírus .

Da mesma forma, ele também anunciou que, a partir da próxima semana, crianças menores de 14 anos poderão sair de casa para passear, no máximo meia hora por dia, na companhia de um adulto, e sem sair a mais de 500 metros de suas casas, algo que é proibido a partir do primeiro dia do estado de emergência.

Mudanças nos mercados

O presidente também anunciou que o governo decidiu intervir nos mercados de alimentos, um dos principais surtos da doença no país.

Assim, sem especificar quais medidas específicas serão adotadas, apontou que 380 dos 2.000 mercados do país, "em estado crítico", serão intervidos devido a "suas condições mínimas de higiene e saúde."

"Se diminuirmos o fluxo de pessoas nos bancos e a desordem na maioria dos mercados, diminuiremos a taxa de contágio", afirmou o presidente.

Medidas drásticas

No entanto, Vizcarra disse que existem regiões do país onde "ainda precisamos ser bastante drásticos" devido ao alto nível de pacientes e que eles manterão o cronograma de restrição a partir das 16h, como Loreto, Lambayeque, Piura, La Libertad e Tumbes.

Pelo menos 150.000 membros da Polícia Nacional e das Forças Armadas estarão nas ruas para fazer cumprir as ordens de imobilização e quarentena, disse o presidente.

Números da pandemia

Segundo o último relatório da doença divulgado pelo Ministério da Saúde, o número de casos subiu para 61.847 pacientes com coronavírus nesta sexta-feira, dos quais 6.155 estão hospitalizados, enquanto o número de mortes subiu para 1.714.

Um total de 473.190 pessoas foram amostradas para descartar a doença e 19.012 receberam alta.

Vizcarra indicou que o governo conseguiu aumentar o número de leitos para hospitalização de 2.000 no início da pandemia para mais de 8.000 hoje, e que o número de leitos em Unidades de Terapia Intensiva passou de 100 para mais de 900.

Últimas