Peru luta para resolver grande escalada de casos de coronavírus

Com a morte de 28 outras pessoas, o número total de mortes pela covid-19 também aumentou para 728; casos recuperados aumentaram para 8.088

Martín Vizcarra admitiu que em algumas regiões do país "a situação é crítica"

Martín Vizcarra admitiu que em algumas regiões do país "a situação é crítica"

Paolo Aguilar/Archivo/ EFE/ 26.04.2020

O governo do Peru está correndo contra o tempo para aumentar sua capacidade de assistência médica devido ao crescimento diário dos pacientes com a covid-19, que subiram para 12% do total de amostras colhidas, atingindo 27.517 casos e 728 mortes neste domingo (26).

Leia mais: O megapacote econômico anunciado pelo governo do Peru para enfrentar a crise do coronavírus

Em sua apresentação habitual, o presidente Martín Vizcarra admitiu que em algumas regiões do país "a situação é crítica", mas enfatizou que o trabalho das autoridades é "permanente, sem dias de folga" para combater o ataque da epidemia.

A esse respeito, ele anunciou que, nos próximos dias, serão realizados mais de um milhão de testes para detectar a doença, centenas de novos leitos hospitalares serão permitidos e serão feitos esforços para alcançar 1.000 unidades de terapia intensiva (UTI).

Alguns dados

O presidente explicou que nas últimas horas foram realizados 14.552 novos testes, atingindo um total de 232.747, número que, segundo ele, não foi realizado em nenhum outro país da América do Sul.

Assim, foram detectados 2.186 novos casos, elevando o número total para 27.517, dos quais 3.632 estão hospitalizados, 554 deles em leitos de UTI, do total nacional de 719.

Com a morte de 28 outras pessoas, o número total de mortes por covid-19 também aumentou para 728, mas os casos recuperados também aumentaram de 291 para 8.088.

Capacidade de resposta

Martín Vizcarra anunciou aumento dos casos da covid-19

Martín Vizcarra anunciou aumento dos casos da covid-19

Peruvian Presidency/Handout via REUTERS

Vizcarra disse que 12% das amostras apresentaram resultados positivos na última semana, um número que mostra um aumento sustentado de 6% nos primeiros dias, que permaneceu em 8% por cerca de três semanas.

Ele aceitou que o sistema de saúde do país esteja "atingindo o limite da capacidade de resposta", mas disse que continua "trabalhando para atender todos os pacientes que necessitam de hospitalização e atendimento médico".

Nesse sentido, o Ministro da Saúde do Peru, Víctor Zamora, lembrou que o tratamento da epidemia começou com 100 leitos de UTI e que, se não fossem tomadas medidas urgentes para aumentar essa capacidade, eles agora ficariam "sobrecarregados, mesmo com os pacientes atuais".

"Continuamos a crescer", disse ele antes de assegurar que a nova contratação de profissionais de saúde no Peru e no exterior permitiu que 21.050 profissionais fossem recrutados.

Vizcarra explicou que ainda existem 1.493 leitos hospitalares disponíveis em todo o país e que em Lima serão habilitadas duas novas torres na Villa Panamericana, que já tem outras duas em uso, para instalar outras 800 camas.

Ele também anunciou que na próxima semana 800.000 testes rápidos e 300.000 testes moleculares chegarão ao país, o que permitirá manter a média de 12.000 testes diários que são feitos para ter um registro preciso da evolução da doença.

O presidente indicou que na próxima semana chegará também um primeiro lote dos 450 respiradores artificiais comprados no exterior, bem como de outro grupo dessas equipes que o sindicato de empresas privadas doou.

Ele disse que, além disso, os dez primeiros fãs fabricados pela Marinha já estarão disponíveis e espera-se que em breve os sejam fabricados por duas universidades privadas.

Após testes, Peru soma 27.517 casos de coronavírus

Após testes, Peru soma 27.517 casos de coronavírus

Paolo Aguilar/ EFE/ 25.04.2020

Nova convivência

Vizcarra lembrou que neste domingo o isolamento do cidadão deve terminar, mas o avanço da doença levou à sua extensão até 10 de maio, apesar do fato de que essa medida modifica "uma série de parâmetros" como país e "para cada cidadão é um sacrifício" .

"As atividades econômicas, que geram empregos e renda para as famílias, também são adiadas ... o principal motivo é proteger a vida e a saúde dos cidadãos", afirmou.

Ele acrescentou que o Conselho de Ministros recebeu neste domingo relatórios e propostas sobre a situação de trabalhadores informais, prisioneiros, mulheres vítimas de abuso de gênero e a grande comunidade de migrantes venezuelanos.

O presidente disse que, nesse contexto, foi determinado que após a epidemia uma "nova convivência" deveria ser estabelecida, porque "uma parte da história da humanidade que vai mudar" é encarada em sua forma de comportamento e interação, como sociedade.

Pequenas empresas

A Vizcarra também anunciou que foi emitido um decreto para aumentar em 500 milhões de soles (142,8 milhões de dólares) um fundo de apoio às microempresas, que inicialmente tinha 300 milhões de soles (85,7 milhões de dólares).

Ele lembrou que também foi estabelecido o programa "Reactiva Peru", que concederá 30.000 milhões de soles (8.571 milhões de dólares) "para evitar romper a cadeia de pagamentos" das empresas e ter "dinamismo para retomar a atividade".

O presidente também confirmou que o governo está avaliando o estabelecimento de um imposto sobre a riqueza ou sobre pessoas com renda econômica mais alta porque, observou ele, "em uma situação tão difícil, o valor mais importante que exigimos, além de responsabilidade, disciplina e perseverança, é a solidariedade. "

Vizcarra também disse que confiou a "tarefa muito clara e precisa" ao novo ministro do Interior, Gastón Rodríguez, que nesta sexta-feira substituiu Carlos Morán, para "cuidar bem" do pessoal da Polícia Nacional e investigar as queixas de possíveis casos de corrupção durante a emergência.