Coronavírus

Internacional Pfizer concorda em fornecer vacina a programa de imunização da OMS

Pfizer concorda em fornecer vacina a programa de imunização da OMS

O acordo deve ser assinado nesta sexta-feira (22), e servirá para a distribuição de medicamentos em países de baixa renda

Reuters
Acordo será para distribuir vacina em países de baixa renda

Acordo será para distribuir vacina em países de baixa renda

Gonzalo Fuentes/Reuters

A Pfizer e sua parceira BioNTech concordaram em fornecer sua vacina contra a covid-19 ao programa de vacinação Covax, coliderado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), disseram duas fontes com conhecimento do assunto, o que aumentará a variedade de imunizantes contra o novo coronavírus que serão incluídos no projeto direcionado a países mais pobres.

O acordo deve ser anunciado na sexta-feira (22), segundo as fontes, que se recusaram a ser identificadas pela confidencialidade das tratativas.

Detalhes sobre o tamanho do acordo e o preço de cada dose que o Covax pagará não estavam imediatamente claros, mas as fontes disseram que a cota será relativamente pequena. Uma fonte afirmou que o motivo é que as doses serão primariamente destinadas a trabalhadores da saúde nos países servidos pelo Covax.

A BioNTech se recusou a comentar, e a Pfizer não respondeu a pedidos por comentários. Porta-vozes da OMS e da Gavi, iniciativa que colidera o Covax, também se recusaram a comentar.

O programa Covax deve começar a distribuir vacinas contra Covid-19 a países com rendas baixa ou média em fevereiro. O Brasil é um dos países participantes do programa.

O acordo da Pfizer seria o segundo do Covax, depois da AstraZeneca, que abrange um produto já com aprovação regulatória em alguns países.

A vacina da Pfizer e da BioNTech contra Covid-19 é a única até agora que consta na lista de aprovações para uso emergencial da OMS.

Na quarta-feira, a Reuters publicou que a OMS planeja aprovar uma série de vacinas contra Covid-19 de laboratórios do Ocidente e da China nas próximas semanas e meses, tentando acelerar a vacinação em países mais pobres.

Últimas