Coronavírus

Internacional Pior da pandemia provavelmente já passou, diz Boris Johnson

Pior da pandemia provavelmente já passou, diz Boris Johnson

Apesar da declaração, primeiro-ministro do Reino Unido pediu aos cidadãos britânicos que se comportem 'com cautela'

Agência EFE
Johnson suspenderá quase todas as medidas legais de combate à covid no próximo dia 19

Johnson suspenderá quase todas as medidas legais de combate à covid no próximo dia 19

Daniel Leal-Olivas/Pool via REUTERS - 5.7.2021

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, considerou nesta quinta-feira (15) ser "muito provável que o pior da pandemia tenha ficado para trás" no país, apesar do aumento significativo de casos diários registrados, que ultrapassam os 42 mil.

O premiê fez essas declarações durante um discurso hoje em Coventry, na Inglaterra, onde esteve para detalhar um programa de governo destinado a "nivelar" a economia nacional a fim de eliminar as desigualdades, com o qual espera "mudar a vida das pessoas".

Em seu discurso, Johnson fez alusão à situação atual da pandemia no país e ao próximo e polêmico levantamento das últimas restrições na Inglaterra, que acontecerá a partir da próxima segunda-feira (19) que tem atraído críticas devido aos números alarmantes de infecções diárias causadas pela variante delta, predominante e altamente contagiosa.

Nesse sentido, o político conservador considerou que é "altamente provável que o pior da pandemia tenha ficado para trás", embora tenha pedido aos cidadãos que se comportem "com cautela".

De acordo com os últimos dados atualizados do Ministério da Saúde, o Reino Unido registrou ontem 42.302 novos casos de covid-19 em 24 horas, o maior número desde o dia 15 de janeiro deste ano, e outras 49 mortes em decorrência da doença, chegando a 128.530 infecções desde o início da pandemia, em março de 2020.

Apesar disso, Johnson continua com seu plano para finalizar o levantamento do confinamento imposto em janeiro na Inglaterra, considerando que o sucesso do plano de vacinação está freando o avanço do vírus.

Últimas