Coronavírus

Internacional Pobreza e violência, legado da pandemia às mulheres latinas

Pobreza e violência, legado da pandemia às mulheres latinas

Segundo a ONU, covid-19 produziu um retrocesso de pelo menos 10 anos na participação feminina no mercado de trabalho

  • Internacional | Da EFE

Denúncias de violência aumentaram na pandemia

Denúncias de violência aumentaram na pandemia

Reprodução / Pixabay

Cerca de 118 milhões de mulheres na pobreza, uma queda sem precedentes na taxa de emprego e um aumento da violência sexista é o legado mais visível deixado na América Latina e no Caribe pela pandemia de covid-19 que estourou em 2020 e continua a assolar a região, a mais desigual do mundo.

Depois de um ano de pandemia, "podemos verificar que as consequências para as mulheres foram desproporcionalmente negativas", disse a diretora regional para a América Latina e o Caribe da ONU Mulheres, María-Noel Vaeza, em entrevista à Efe.

“A crise causada pela pandemia mostrou os grandes desafios que enfrentamos, tornando mais evidentes as desigualdades de gênero: as mulheres são as mais afetadas pelo aumento do desemprego, da pobreza e da sobrecarga de assistência não remunerada”, disse a alta funcionária das Nações Unidas.

Menos trabalho e mais pobreza

Em consequência do fechamento do comércio e das restrições à mobilidade para frear o avanço do novo coronavírus, a pandemia provocou "uma recessão econômica que reverterá o avanço na redução da pobreza", já que no final do ano passado aproximadamente "23 milhões de mulheres foram adicionadas à pobreza, num total de 118 milhões".

O PIB (Produto Interno Bruto) da América Latina e Caribe contraiu 7,7% em 2020 e a taxa de desemprego regional atingiu 10,7% (+ 2,6% em relação a 2019), segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) .

A covid-19 produziu "um retrocesso de 10 anos na participação feminina no mercado de trabalho", já que em 2020 ela "caiu 6 pontos percentuais" em relação a 2019, disse Vaeza.

Quanto ao trabalho doméstico, que representa entre 10,5% e 14,3% dos empregos das mulheres na região, “mais de 70% foram afetados pelas medidas de quarentena, seus rendimentos diminuíram ou desapareceram”.

Como resultado do fechamento de escolas na América Latina, a mais longa do mundo, as mulheres assumiram "grande parte do trabalho adicional não remunerado em casa", e essa sobrecarga afetou "principalmente as mulheres nas famílias mais pobres, (com) até 39 % mais do tempo. "

Mas esta não é uma situação nova: antes da pandemia, as mulheres da região dedicavam mais de três vezes mais tempo ao trabalho não remunerado do que os homens, lembrou a diretora da ONU Mulheres.

Violência de gênero, a pandemia na sombra

"Também aumentou os níveis de violência de gênero contra meninas e adolescentes: a pandemia na sombra, como a chamamos", disse Vaeza,

A representante da ONU Mulheres afirmou que ainda não existem "dados sistematizados e regionais", mas os "números emergentes mostram um aumento das denúncias às linhas telefónicas e na procura de apoio" devido à violência contra as mulheres.

Na Argentina, "durante as primeiras semanas da pandemia, o número de ligações diárias para a Central de Atendimento 144 à Violência de Gênero aumentou 39%", e no México aconteceu algo semelhante, com um aumento de 53% nas ligações. 911 atendimentos "para incidentes de violência contra as mulheres".

Embora “não seja possível tirar conclusões sobre os dados em meio à crise, é urgente tomar medidas porque, antes mesmo da cobiça, a violência contra as mulheres na América Latina tinha dimensões pandêmicas e os indícios indicam que está aumentando", comentou Vaeza.

A luta feminista

Embora nos últimos anos a luta feminista na região tenha progredido, “a crise de saúde causou grandes retrocessos”, disse a funcionária da ONU.

Por exemplo, agora existem "18 países na região com leis que classificam o femicídio com penas mais severas do que o homicídio" na América Latina e no Caribe, que "é a região que experimentou o maior aumento nos últimos anos. 

Além disso, de acordo com os últimos dados compilados pela Organização Internacional do Trabalho, “a diferença salarial caiu cerca de 5 pontos percentuais nos últimos 10 anos, mas continua a ser de 15% em média na região”.

O progresso na recuperação do terreno perdido devido à pandemia "requer refletir a dinâmica de gênero" e "colocar as mulheres no centro da recuperação".

Para fazer isso, é necessário garantir a disponibilidade de dados desagregados por sexo e análise de gênero, e envolver as mulheres em todas as fases da resposta e na tomada de decisão nacional e local ", disse Vaeza.

Últimas