Coronavírus

Internacional Polícia italiana desmantela rede de venda de falsos passes sanitários

Polícia italiana desmantela rede de venda de falsos passes sanitários

Pagamento pelo documento falsificado era feito por meio de criptomoedas para dificultas a identificação dos compradores

AFP
Passes falsificados eram comprados com criptomoedas ou através de vouchers no e-commerce

Passes falsificados eram comprados com criptomoedas ou através de vouchers no e-commerce

GEOFFROY VAN DER HASSELT / AFP

A polícia italiana informou nesta segunda-feira (9) que desmantelou uma rede de venda online de passes sanitários falsos, documento que desde sexta-feira se tornou obrigatório para o acesso a muitos lugares públicos.

Quatro suspeitos foram identificados, incluindo dois menores, que ofereciam esses passes falsos nas redes sociais.

Itália exigirá passe sanitário em escolas e no transporte público

"Milhares de usuários se cadastraram em plataformas de comunicação nas quais passes de saúde falsos foram colocados à venda por entre 150 e 500 euros (R$ 920 e R$ 3067 na cotação atual), com anonimato garantido graças ao pagamento com criptomoedas ou compra de vouchers em sites de comércio eletrônico", acrescentou a polícia em um comunicado.

O passe de saúde é obrigatório em toda a península desde sexta-feira para acesso a cinemas, museus e restaurantes. O passe é concedido a vacinados (pelo menos com uma dose), ou com teste negativo nas últimas 48 horas ou após recuperação da covid nos últimos seis meses.

A partir de 1º de setembro, também será obrigatório em trens e ônibus interurbanos, bem como para professores e alunos. A polícia disse ter detectado um total de 32 canais de bate-papo envolvidos neste tráfico por meio da rede Telegram. A identificação dos compradores está em andamento.

Cerca de 20 milhões de italianos baixaram seus passes na internet nos últimos três dias, segundo o ministro da Saúde, Roberto Speranza.

Últimas