Polícia recupera outros 3 fugitivos de presídio paraguaio

A Força Tarefa Conjunta encontrou os três homens caminhando ao longo da margem da estrada, a cerca de dois quilômetros de um posto policial

A prisão dos três homens ocorreu na última madrugada na cidade de Arroyito

A prisão dos três homens ocorreu na última madrugada na cidade de Arroyito

Reprodução/Record TV

O Ministério do Interior do Paraguai anunciou nesta terça-feira (21) a captura de três dos 75 prisioneiros do Primeiro Comando da Capital (PCC) que escaparam de uma cadeia paraguaia no último domingo, elevando para seis o número de prisioneiros recapturados.

A prisão dos três homens ocorreu na última madrugada na cidade de Arroyito, no departamento de Concepción, a cerca de 140 quilômetros de Pedro Juan Caballero, a cidade na fronteira com o Brasil onde está a prisão da qual escaparam.

A Força Tarefa Conjunta encontrou os três homens caminhando ao longo da margem da estrada, a cerca de dois quilômetros de um posto policial.

Os detidos em Concepción foram os paraguaios Ronald Francisco Brítez López, Orlando Manuel Torres Verón e José Enrique Ullón Duarte, que estava na lista inicial de fugitivos como Enrique Duarte.

Na segunda-feira (20) pela manhã, havia sido capturado Sabio Darío González Figueredo. O homem, de nacionalidade paraguaia, estava escondido em uma casa localizada a apenas 200 metros da prisão e pretendia deixar a cidade de Pedro Juan Caballero.

No mesmo dia, o brasileiro Eduardo Alves da Cunha também foi recapturado em Ponta Porã, cidade do Mato Grosso que faz fronteira com o Paraguai. O sexto detento recupera é Charli Antonio Giménez Martínez, um paraguaio que estava cumprindo uma sentença por roubo agravado e que as autoridades conseguiram localizar ainda no domingo, dia da fuga.

Nesta terça-feira, a Ministra da Justiça, Cecilia Pérez, e o Ministro do Interior, Euclides Acevedo, comparecerão à Comissão Permanente do Congresso para informar sobre os eventos.

O governo paraguaio reconheceu nesta segunda que houve "um erro de apreciação por parte do sistema de inteligência", que permitiu que os 75 homens escapassem, como disse o secretário da presidência, Juan Ernesto Villamayor.