Polícia turca mata refugiado sírio de 17 anos que fugiu de confinamento

Adolescente foi parado por guardas quando tentava voltar para casa e tentou fugir, para evitar pagar uma multa, quando foi baleado no peito

Polícia turca mata refugiado sírio

Polícia turca mata refugiado sírio

REUTERS/Stringer - 23.4.2020

Um refugiado sírio de 17 anos que violou a proibição de sair às ruas por conta da pandemia do coronavírus, morreu após ser baleado por um agente quando tentava fugir de um posto de controle da polícia da Turquia na província de Adana.

O jovem, identificado como Ali el Hemdan, voltava na segunda-feira (27) para casa, quando foi parado pela polícia em uma blitz de rotina, de acordo com vários depoimentos coletados pelo jornal Evrensel.

Hemdan foi baleado no peito quando tentava fugir dos policiais, provavelmente para evitar a multa de 470 euros (cerca de R$ 2,8 mil) por violar a proibição de menores de 20 anos de idade de ir às ruas.

A vítima ainda foi levada para um hospital, onde ele morreu.

"Ele não seguiu os avisos da polícia para parar e fugiu. Ele foi ferido acidentalmente quando a polícia abriu fogo como um aviso", disse a província de Adana em comunicado divulgado hoje, indicando que o agente que fez o disparo foi afastado do trabalho enquanto ocorrem as investigações.

O governo turco proibiu menores de 20 anos que não trabalham e pessoas com mais de 65 anos de idade saírem às ruas, como parte de medidas para evitar o contágio por coronavírus.

Dos quase três milhões de sírios em idade ativa que vivem na Turquia, apenas cerca de 80 mil têm permissão de trabalho.

O restante trabalha em uma economia paralela que passou por medidas tomadas pelo governo para reduzir as infecções por Covid-19, como o fechamento de cafés, bares e lojas.