Pompeo ressalta apoio dos EUA à Ucrânia e prevê relações ampliadas

O presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, negou que o processo de impeachment contra Trump tenha afetado as relações bilaterais

Pompeo diz que EUA apoiam Ucrânia em luta pela liberdade e democracia

Pompeo diz que EUA apoiam Ucrânia em luta pela liberdade e democracia

Jacquelyn Martin/Pool via REUTERS - 25.06.2019

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, informou nesta sexta-feira (31) que as relações com a Ucrânia estão melhorando e garantiu que o apoio americano ao país do Leste Europeu não cessará. O presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, negou que o processo de impeachment contra Donald Trump por supostas pressões sobre Kiev tenha afetado as relações bilaterais.

"Estou aqui hoje com uma mensagem clara: os Estados Unidos veem que a luta da Ucrânia pela liberdade, democracia e prosperidade é uma luta corajosa. Nosso compromisso de apoiar (essa luta) não cessará", disse Pompeo em entrevista coletiva após reunião com o presidente ucraniano, lembrando que os EUA forneceram mais de US$ 1 bilhão em assistência militar ao país desde janeiro de 2017.

De acordo com o chefe da diplomacia americana, "este compromiso continuará e o governo (de Trump) manterá o apoio financeiro para a segurança" da Ucrânia, para que continue a defender a soberania e a integridade territorial.

Pompeo e Zelenski não mencionaram, nos primeiros comentários à mídia, as tensões que foram criadas entre os dois países como resultado do processo de impeachment contra Trump, provocado por um pedido feito a Zelenski no ano passado.

A Câmara dos Representantes e o Senado investigam se Trump condicionou US$ 400 milhões em assistência militar à Ucrânia e uma visita de Zelenski à Casa Branca a uma investigação sobre o ex-vice-presidente dos EUA e pré-candidato democrata Joe Biden e seu filho Hunter por suposta corrupção na Ucrânia.

"Não, não há nenhuma condição dessa natureza para que o presidente Zelenski venha à Casa Branca e faça essa visita. Vamos encontrar o momento certo ou a oportunidade certa. Queremos garantir que isso aconteça quando houver um progresso substancial e possamos proporcionar resultados entre os dois lados. O presidente Zelenski será bem-vindo à Casa Branca quando tivermos a oportunidade de fazer coisas boas para os ucranianos e americanos tambem. Tenho certeza", comentou Pompeo.

O mandatário ucraniano expressou o mesmo sentimento, dizendo que ainda está interessado em uma visita à Casa Branca e está "disposto a ir amanhã" mesmo a Washington, mas lembrando que uma visita oficial de um chefe de Estado a outro deve ser capaz de produzir resultados concretos.

Zelensk ainda disse que EUA e Ucrânia "têm excelentes relações" e que não acredita que "estas relações amistosas e calorosas tenham sido influenciadas pelo processo de impeachment" contra Trump. "Este é um novo passo no nosso relacionamento", acrescentou, lembrando que disse em "muitas ocasiões" que os EUA são um aliado estratégico da Ucrânia.

Perguntado sobre quando será nomeado um novo representante especial para a Ucrânia, o chefe da diplomacia americana disse que esta questão diplomática será resolvida no tempo certo. "No final, é menos sobre o que é dito e mais sobre como podemos fornecer resultados juntos para ucranianos e americanos também", respondeu Pompeo.