Portugal funciona parcialmente em estado de emergência

Centenas de pessoas estão em atividade parcial e quem entra no país deve ficar de quarentena. Coronavírus deixou mais de mil pessoas infectadas

Portugal trabalha parcialmente com coronavírus

Portugal trabalha parcialmente com coronavírus

Rafael Marchante / Reuters - 16.3.2020

O primeiro dia após as medidas decretadas pelo estado de emergência em Portugal, que apenas obriga os infectados pelo coronavírus ao confinamento, deixa centenas de cidadãos em atividade parcial em um país onde mais de 1 mil pessoas estão infectadas e existem já seis mortos.

De acordo com o último balanço das autoridades, a Direção Geral de Saúde anunciou hoje como uma restrição adicional que quem entra no país deve passar 14 dias em quarentena.

A medida foi avançada pela diretora do DGS, Graça Freitas, que voltou a enfatizar a necessidade de proteger os vulneráveis, idosos e pessoas com patologias anteriores, e recordou as limitações de movimento que afetam o país desde a meia-noite.

Três grupos

Uma tarefa à qual também foram dados meios para esclarecer muitas dúvidas, depois que o governo dividiu as restrições em três grupos: confinamento obrigatório para os infectados e pessoas sob vigilância, reduzido ao estritamente necessário para maiores de 70 anos e reclusão para os demais.

Uma abordagem gradual que visa garantir que o país tenha "contenção máxima" com "perturbações mínimas" na economia, disse ontem o primeiro-ministro António Costa, que insistiu em "não perder nesta crise o que conseguimos recuperar da crise anterior".

Assim, a imagem no início da manhã nos trens suburbanos que transportam milhares de trabalhadores para Lisboa tem sido de relativa normalidade, embora com uma queda considerável no influxo.

Poucos com máscaras ou luvas, a grande maioria sem nenhuma medida de proteção ou mesmo uma distância mínima entre eles nas plataformas e com uma preocupação comum expressa aos meios de comunicação: estão conscientes do risco de contágio, mas não podem em casa como recomendado pelo governo.

São principalmente trabalhadores da construção civil e hotelaria, com bares e restaurantes fechados ao público, mas mantendo serviços de "delivery", limpadores ou empregados de serviços básicos, como supermercados ou farmácias.

Em suma, um país com muitas ruas vazias, mas não desertas, enquanto as atualizações de saúde estão acontecendo, algumas positivas, como o caso de uma mulher infectada pelo vírus que deu à luz no Porto sem que seu bebê tenha a doença.