Novo Coronavírus

Internacional Portugal nega 'descontrole' na região mais afetada por coronavírus

Portugal nega 'descontrole' na região mais afetada por coronavírus

Região de Lisboa e Vale do Tejo acumula 17.527 casos, quase metade das infecções registradas no país. Novas restrições foram impostas na capital

Portugal nega descontrole em Lisboa

Portugal nega descontrole em Lisboa

Rafael Marchante/Reuters - 25.5.2020

Autoridades de Portugal negaram que exista qualquer tipo de "descontrole" sobre os surtos de coronavírus identificados na região de Lisboa, que adotou novas restrições nesta semana e se tornou nesta quarta-feira (24) a parte do país com mais casos de coronavírus desde o início da pandemia.

A região de Lisboa e Vale do Tejo acumula 17.527 casos, superando em quase 200 a região Norte, onde a pandemia foi declarada no país e, até então, a zona mais impactada de Portugal.

Como ocorre há várias semanas, a área da capital voltou a aglutinar a maioria dos novos casos nas últimas 24 horas, 87% dos 367 infectados. Ao todo, o país registra 1.543 mortos e 40.104 contagiados.

"Os números mostram que não há descontrole. Haveria se tivesse mais que o dobro de casos pressionando o número de internados em unidades de terapia intensiva (UTI)", analisou o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, ao término de uma reunião com especialistas.

Também esteve presente na reunião o primeiro-ministro, António Costa, e membros dos partidos com representação parlamentar.

Rebelo de Sousa destacou que o país realiza um alto número de testes, afirmando que é o quinto país com mais exames realizados por cada milhão de habitantes na Europa.

Alguns partidos presentes na reunião expressaram preocupação com a região metropolitana de Lisboa, onde passaram a vigorar novas restrições para conter o coronavírus, como a proibição de reunião de mais de dez pessoas e o fechamento de estabelecimentos a partir das 20h, exceto restaurantes.

"De acordo com os técnicos, a situação que estamos vivendo, nas palavras deles, é resultado de uma segunda onda, e não de um aumento de testes", afirmou o vice-presidente do grupo parlamentar do Partido Social Democrata (PSD), centro-direita, Ricardo Baptista Leite.

Últimas