Coronavírus

Internacional Portugal prorroga estado de emergência contra covid até março

Portugal prorroga estado de emergência contra covid até março

País ficará em confinamento pelo menos até o início do próximo mês, para manter queda nos números de novos casos e mortes

  • Internacional | Da EFE

Circulação permanecerá restrita em Portugal até março

Circulação permanecerá restrita em Portugal até março

Salvador Sas / EFE - EPA - Arquivo

O Parlamento de Portugal aprovou nesta quinta-feira (11) uma nova prorrogação do estado de emergência entre 15 de fevereiro e 1º de março, medida que prolongará o atual confinamento para seguir estabilizando a curva de contágios e mortes pelo novo coronavírus.

Leia também: Portugal detecta primeiros casos da variante brasileira da covid-19

O país, de 10 milhões de habitantes, começa a ver os frutos do confinamento que começou em 15 de janeiro, um mês sombrio para os lusitanos, no qual mais de 16 mil infecções e 300 mortes foram registradas em um único dia.

Queda nos números

Mas a curva começa a ceder e a se estabilizar. Nesta quinta-feira, as autoridades notificaram 167 mortes e 3.480 novos casos, em linha com os dados dos últimos dias, o que reduziu significativamente o número de hospitalizados.

Esta tendência continuou hoje: 259 pacientes com covid-19 tiveram alta médica, e o número de pessoas internadas é de 5.570. Entre elas, 836 estão em unidades de terapia intensiva, 17 a menos do que no dia anterior.

Especialistas que aconselham o governo recomendam que esses números caiam ainda mais antes do alívio das restrições, justificativa para o prolongamento do estado de emergência, proposto pelo presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

Uma vez aprovado o estado de emergência, o mais alto nível de alerta do país, caberá ao governo determinar as medidas a serem aplicadas durante esses 15 dias, embora se espere que as atuais restrições sejam mantidas, incluindo os controles na fronteira com a Espanha.

Ao todo, Portugal já contabilizou 14.885 mortes e 778.369 contágios desde o início da pandemia.

Últimas