Coronavírus

Internacional Portugal tem menor número de mortes por covid desde outubro

Portugal tem menor número de mortes por covid desde outubro

Em confinamento desde janeiro, país registra apenas 28 óbitos e 830 novos casos de contaminação pelo coronavírus

Portugal reduz contaminações e óbitos com confinamento intenso

Portugal reduz contaminações e óbitos com confinamento intenso

Mario Cruz / EFE - EPA - Arquivo

Portugal registrou nesta quinta-feira (4) mais 28 mortes provocadas pela covid-19, o que representa a menor quantidade de vítimas desde outubro do ano passado, em meio a um contexto de melhora nos indicadores da pandemia, após pouco mais de um mês e meio de confinamento da população.

Leia também: Portugal tem menor número de casos de coronavírus em 6 meses

De acordo com o balanço divulgado pela Direção Geral de Saúde (DGS), foram notificados nas últimas 24 horas 830 casos de infecção pelo novo coronavírus.

Dessa forma, o total de óbitos desde o início da pandemia em Portugal chegou a 16.458, enquanto o de positivos confirmados saltou para 807.456.

Queda nas internações

Ainda segundo o boletim da DGS, houve melhora em todos os indicadores, especialmente os que se referem à pressão nos hospitais, que estão baseando as restrições impostas pelas autoridades locais.

Atualmente, estão internados nas unidades de saúde do país 1.708 pessoas com sintomas da covid-19, 119 a menos do que ontem. Já nas UTIs, são 399 pacientes, o que indica queda de 16, na comparação com a véspera.

Apesar da melhora nos indicadores, o discurso das autoridades portuguesas segue sendo de solicitar cautela para a população.

"Uma nova escalada do vírus está em discussão, mesmo com a vacina", disse a diretora da DGS, Graça Freitas, em entrevista à emissora local "RTP".

"O vírus sofre mutações. Não estamos livres disso, apesar da vacina. E não sabemos quanto tempo vai durar a imunidade, se vai proteger contra novas variantes ou como vai funcionar a imunidade natural", completou.

Em Portugal, já foram identificadas as cepas britânica, que tem prevalência atual de 58%, brasileira e também sul-africana.

Últimas