Novo Coronavírus

Internacional Premiê da Itália descarta novo lockdown apesar de avanço da covid

Premiê da Itália descarta novo lockdown apesar de avanço da covid

Giuseppe Conte planeja lançar pacote de medidas para enfrentar a segunda onda da pandemia, mas fala apenas em bloqueios regionais

Itália enfrenta nova alta do número de casos diários de covid-19

Itália enfrenta nova alta do número de casos diários de covid-19

Guglielmo Mangiapane/Reuters

O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, disse nesta segunda-feira (12) estar comprometido em finalizar o decreto com mais medidas contra o coronavírus e descartou a possibilidade de decretar um novo lockdown em todo o país.

"Estamos comprometidos com o decreto e vamos tentar finalizá-lo já esta noite. Estou voltando para Roma, onde tenho uma reunião com as regiões e gostaríamos de lançar as medidas anti-covid", disse Conte durante evento em Taranto.

O premiê italiano ainda explicou que excluiria um novo lockdown em todo o território porque o governo tem trabalhado justamente para evitá-lo.

"Fortalecemos as estruturas hospitalares e a resposta do sistema de saúde. Estamos muito à frente. Estamos fazendo um número impressionante de exames", explicou.

Leia também: Itália tornará obrigatório uso de máscaras também em locais abertos

A declaração foi dada na cerimônia de colocação da primeira pedra no canteiro de obras de novo hospital de San Cataldo.

Na ocasião, Conte também afirmou que, "se essa curva [epidemiológica] continuar subindo, prevê algum bloqueio limitado", mas sabe que o país não está "mais na situação de fechamentos em todo o território ou em grandes áreas", principalmente pelo fato de o governo ter adotado uma série de medidas e usar um sistema de monitoramento muito sofisticado.

Hoje, o ex-ministro do Interior Matteo Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga Norte, também comentou as discussões sobre o novo decreto e disse esperar que "ninguém no governo pense em voltar a fechar espaços, lojas, escritórios, fábricas e escolas" porque os italianos correm "o risco de morrer".

"Tudo bem ser cuidadoso, distante e mascarado. Mas fechado em casa, não. Oitenta por cento das infecções ocorrem em casa: esses são os dados, portanto, não adianta ir culpar quem trabalha", argumentou Salvini.

Nos últimos dias, o governo italiano tem debatido novas medidas para tentar conter uma segunda onda de covid-19 no país, tendo em vista o aumento no número de casos diários. A expectativa é de que o documento fique pronto ainda nesta segunda-feira.

Últimas