Novo Coronavírus

Internacional Presidente argentino faz teste de coronavírus, que dá negativo

Presidente argentino faz teste de coronavírus, que dá negativo

Alberto Fernández teve contato próximo com um caso positivo da doença, o secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, e ficará isolado

Fernández dá negativo para o novo coronavírus

Fernández dá negativo para o novo coronavírus

Tono Gil/EFE

O presidente da Argentino, Alberto Fernández, foi submetido a um teste de coronavírus, com resultado negativo, depois de ter tido contato próximo com um caso positivo, segundo informações divulgadas por fontes oficiais na quarta-feira (11).

"Tendo tido contato próximo com um caso positivo de covid-19, o presidente Alberto Fernández iniciou o protocolo de isolamento preventivo e obrigatório", informou a Presidência do país vizinho em comunicado.

Segundo as informações oficiais, o chefe de Estado, de 61 anos, permanecerá isolado na residência presidencial em Olivos, na região norte de Buenos Aires.

A pessoa próxima com quem Fernández teve contato é o secretário de Assuntos Estratégicos da Presidência, Gustavo Béliz, que deu positivo para covid-19 nesta quarta-feira. O funcionário teria sido infectado por um familiar com quem vive e que começou a apresentar sintomas no último domingo.

Governo se testou

Também foram submetidos a teste e estão isolados o ministro de Relações Exteriores da Argentina, Felipe Solá; e o ministro do Interior, Eduardo De Pedro; a ministra da Mulher, Gênero e Diversidade, Elizabeth Gómez Alcorta; e o ministro da Cultura, Tristán Bauer. O mesmo acontece com o secretário-geral da Presidência, Julio Vitobello, o secretário de Comunicação e Imprensa, Juan Pablo Biondi, e o deputado Eduardo Valdés.

Segundo o comunicado, o presidente, Vitobello, Biondi e Valdés já tiveram o resultado dos testes revelado e todos deram negativo. "O restante dos resultados será conhecido nas próximas horas", acrescenta a nota.

Fernández teve uma intensa agenda pública nos últimos dias. No último sábado, viajou para a Bolívia para assistir à posse presidencial de Luis Arce. Na viagem, foi acompanhado pelos ministros Solá, De Pedro e Gómez Alcorta, os secretários Vitobello e Biondi e o deputado Valdés, além do próprio Béliz.

Depois disso, na última segunda-feira, se deslocou para a província argentina de Jujuy para acompanhar o ex-presidente boliviano Evo Morales através a fronteira de volta ao seu país, depois de passar quase um ano exilado na Argentina.

Na visita a Jujuy, o presidente argentino foi acompanhado por Solá, De Pedro, Gómez Alcorta, Béliz, Biondi, Váldez e pelo senador Jorge Taiana.

Desde o início da pandemia, a Argentina registrou um total de 1.273.356 casos de infecção pelo coronavírus e 34.531 mortes por covid-19.

Últimas