Coreia do Norte
Internacional Presidente chinês desembarca na Coreia do Norte para visita histórica

Presidente chinês desembarca na Coreia do Norte para visita histórica

Um dos primeiros compromissos de Xi Jinping foi reunião com Kim Jong-un. Líder chinês disse que ajudará o regime com questões sobre segurança

Coreia do Norte

Encontro de líderes foi exibido em TV estatal chinesa

Encontro de líderes foi exibido em TV estatal chinesa

REUTERS/Jason Lee/20.06.2019

O presidente da China, Xi Jinping, aterrissou nesta quinta-feira (20) no Aeroporto de Sunan, em Pyongyang, em sua primeira viagem à Coreia do Norte e uma reunião marcada pela possibilidade de que sua cúpula com o líder do país, Kim Jong-un, ajude a reativar o diálogo sobre desnuclearização.

O Boeing 747 da Air China que transportou o Xi pousou em Sunan às 11h40 (hora local), segundo o Diário do Povo, o principal jornal estatal chinês, iniciando sua visita de dois dias à capital norte-coreana.

Imagens transmitidas pela emissora sul-coreana YTN mostraram a aeronave na pista de Sunan e autoridades preparando o desembarque do presidente chinês.

Esta é a primeira visita de Xi à Coreia do Norte desde que chegou à presidência, em 2013.

Acredita-se que sua visita possa impulsionar o diálogo sobre a desnuclearização da península coreana após a fracassada cúpula de Hanói.

Em um artigo de opinião publicado ontem no principal jornal norte-coreano, o líder chinês disse que sua viagem contribuirá para "progredir" nesse sentido e considerou "razoável" a posição de Pyongyang em termos de desarmamento.

Um dos primeiros compromissos de Xi Jinping foi uma reunião com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un. O líder chinês já disse que ajudará o regime a abordar suas preocupações em matéria de segurança, dando a entender que tentará impulsionar um acordo de paz na região.

As palavras de Xi, transmitidas pela emissora de televisão chinesa CCTV, representam um respaldo para o regime norte-coreano.

A assinatura de um tratado de paz que encerre definitivamente a Guerra da Coreia (1950-53), paralisada apenas com um cessar-fogo, é uma das principais reivindicações de Pyongyang, que considera que um acordo ajudaria a evitar um hipotético ataque americano.