Novo Coronavírus

Internacional Presidente da Bolívia promulga lei que estabelece data para eleições

Presidente da Bolívia promulga lei que estabelece data para eleições

Jeanine Áñez disse que promulga a lei em meio à 'pressão' dos ex-presidentes bolivianos Evo Morales e Carlos Mesa, além do candidato Luis Arce

Jeanine Áñez disse que promulgou a lei após sofrer pressão de outros candidatos

Jeanine Áñez disse que promulgou a lei após sofrer pressão de outros candidatos

Luis Ángel Reglero/EFE/ 16.04.2020

A presidente interina da Bolívia, Jeanine Áñez, promulgou a lei que estabelece o dia 6 de setembro o prazo para as eleições pendentes no país. Jeanine Áñez fez o anúncio depois de se reunir no Palácio do Governo em La Paz com o presidente do Supremo Tribunal Eleitoral da Bolívia, Salvador Romero.

Leia mais: Prazo para fixar data de novas eleições na Bolívia termina quarta

Áñez disse que promulga a lei em meio à "pressão" dos ex-presidentes bolivianos Evo Morales e Carlos Mesa, além do candidato do MAS Luis Arce, para ir às urnas "em meio a uma pandemia".

Morales dirige a campanha eleitoral do MAS da Argentina, enquanto Mesa é candidata à aliança Citizen Community, e ambos advertiram que o presidente, candidato ao grupo Juntos, não pode prolongar indefinidamente seu período interino.

A esse respeito, a presidente transitória expressou em sua mensagem que nunca pretendeu estender seu mandato, mas sua prioridade agora é a saúde dos bolivianos antes da covid-19, pelo qual considerava Morales, Arce e Mesa responsáveis ​​pelo que poderia acontecer. com eleições no início de setembro, quando seu governo interino prevê um aumento no contágio na Bolívia.

Áñez havia condicionado a promulgação da lei a um relatório científico que pedira ao Parlamento que justificasse que as eleições possam ser realizadas sem risco de surto da doença, para o qual a presidente do Senado boliviano, Eva Copa, do MAS, Ele avisou que ela a aprovaria se o presidente interino não.

Coronavírus na Bolívia

As eleições estavam agendadas para 3 de maio, mas no final de março o corpo eleitoral as adiou sem uma data em que o governo interino declarou a emergência de saúde.

A Bolívia registra 740 mortes e 23.512 pessoas com covid-19 entre seus quase onze milhões de habitantes, de acordo com o último relatório do Ministério da Saúde.

As eleições bolivianas para eleger presidente, vice-presidente, deputados e senadores estão pendentes desde a anulação das eleições de outubro passado, nas quais o então presidente Morales foi declarado vencedor pelo quarto mandato consecutivo e depois renunciou, denunciando que foi forçado por um golpe de estado em meio à pressão dos militares e da polícia, entre outros, para privá-lo de sua nova vitória eleitoral e obrigá-lo a deixar o poder.

Últimas