Internacional Presidente da Somália pede eleições para pacificar o país

Presidente da Somália pede eleições para pacificar o país

Em meio a uma crise política com a extensão de seu mandato, Mohamed Mohamed tenta esfriar os ânimos no país

  • Internacional | Da AFP

Digite a legenda da foto aqui

Digite a legenda da foto aqui

AFP - 25.4.2021

O presidente da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, pediu na manhã desta quarta-feira (noite de terça, 27, no Brasil) o retorno ao diálogo e a realização de eleições no país africano que vive o pior episódio de violência política dos últimos anos devido ao prolongamento de seu mandato.

Leia também: Dez anos após morte, Bin Laden continua um ícone jihadista

O presidente se dirigirá ao Parlamento no sábado para "obter sua aprovação para o processo eleitoral" e pede que os atores políticos realizem "discussões urgentes" sobre como a votação deve ser conduzida, segundo seu discurso à nação transmitido pela mídia pública.

“Como já repetimos várias vezes, sempre estivemos dispostos a organizar eleições pacíficas no momento oportuno no país”, declarou o presidente, conhecido pelo apelido de “Farmajo”.

“Mas infelizmente alguns indivíduos e entidades estrangeiras obstruíram nossas iniciativas com o único objetivo de desestabilizar o país e levá-lo de volta à era da divisão e destruição para criar um vácuo constitucional”, acrescentou.

As tensões políticas dispararam desde o fim do mandato de "Farmajo", que terminou em 8 de fevereiro sem a realização de eleições.

Em 12 de abril, o Parlamento votou uma lei que estende seu mandato por dois anos antes das eleições, o que irritou a oposição.

Violência política

O impasse eleitoral degenerou em confrontos armados na noite de domingo, quando combatentes aliados da oposição ergueram barricadas em diferentes bairros de Mogadíscio.

O presidente e os governantes de Puntland e Jubaland, dois dos cinco Estados semiautônomos da Somália, não chegaram a um acordo sobre como organizar as eleições.

Nesta terça-feira, dois estados semiautônomos, Galmudug e Hirshabelle, rejeitaram a prorrogação do mandato presidencial e convocaram eleições.

Aliado de Farmajo, o primeiro-ministro Mohamed Hussein Roble também pediu "a aceleração de eleições livres e justas".

Últimas