Novo Coronavírus

Internacional Presidente filipino ordena prisão para quem usar máscara errado

Presidente filipino ordena prisão para quem usar máscara errado

Milhares de pessoas no país já foram multadas ou precisaram cumprir penas alternativas por não respeitarem toque de recolher

  • Internacional | Da Ansa

Eloisa Lopez/Reuters - 4.5.2021

Em mais uma de suas inumeráveis polêmicas, o presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, ordenou a prisão de pessoas que estejam usando máscaras de proteção contra a covid-19 de maneira incorreta.

A nova diretiva foi publicada após uma reunião de seu grupo de trabalho contra a pandemia em que todos os presentes, exceto Duterte, estavam usando máscaras. O encontro foi transmitido para a população de maneira online.

"Ordeno à polícia que prenda as pessoas que não usam corretamente as suas máscaras e investiguem os motivos pelas quais elas estão fazendo isso. Não é por mim, é por nós. É o interesse do país que ninguém seja contaminado", disse à população.

Essa não é a primeira vez que o presidente filipino ordena a prisão de quem não cumpre as regras sanitárias para evitar a disseminação da doença. Milhares de pessoas já foram multadas ou precisaram cumprir penas alternativas por não respeitarem o toque de recolher.

O anúncio também ocorre pouco depois do chefe da Polícia, Vitaliano Aguirre, pedir que os agentes aplicassem medidas não prisionais de quem fosse pego infringindo as regras, como no caso de um homem que pagou 100 flexões por sair durante o toque de recolher.

No entanto, Duterte rejeitou a opção por penas brandas e disse que os policiais devem agir com a "máxima severidade".

As Filipinas, conforme dados da Universidade Johns Hopkins, têm pouco mais de um milhão de casos de coronavírus confirmados desde o início da pandemia e 17.991 mortes.

Já a vacinação da população é feita com doses da Vaxzevria, da Universidade de Oxford/AstraZeneca, e com a CoronaVac, da Sinovac Biotech. De acordo com o portal Our World in Data, o país aplicou pouco mais de 2,1 milhões de doses de vacinas entre seus 108 milhões de habitantes.

Últimas