Internacional Presídios do Arizona proíbem livros sobre prisão de pessoas negras

Presídios do Arizona proíbem livros sobre prisão de pessoas negras

Os negros são apenas 12% da população norte-americana, enquanto isso representam 33% da população carcerária, segundo dados de 2017

Livro foi proibido em prisões no estado do Arizona

Livro foi proibido em prisões no estado do Arizona

Pixabay

Um livro que retrata e analisa a questão do encarceramento nos Estados Unidos pelo ponto de vista racial foi proibido em prisões no Estado no Arizona.

Os negros são apenas 12% da população norte-americana, enquanto isso representam 33% da população carcerária, segundo dados de 2017.

A obra Cholkehold: Policing Black Men (Estrangulamento: Policiando Homens Negros, em tradução livre) foi escrita pelo professor de direito da Universidade de Georgetown e ex-procurador federal Paul Butler.

"A proibição de 'Chokehold' viola a Primeira Emenda [da Constituição dos EUA, que garante o direito à liberdade de expressão] e não faz nada para proteger a operação segura das instalações prisionais", escreveu a ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis) na carta que denuncia a proibição, endereçada a Charles Ryan, diretor do departamento.

Butler, o autor do livro, afirmou no Twitter que se sente lisonjeado com a proibição e ressaltou que sua obra não é perigosa já que não promove a violência.

De fato, um capítulo de seu livro ensina homens negros a agirem em situações que poderiam levá-lo à prisão. Em entrevista à CNN, Butler contou que muitos ex-presidiários lhe confessaram que poderiam não ter ido para a cadeia se tivessem acesso a seu livro antes.

A ACLU pediu que o departamento reveja seu posicionamento e libere os livros para os detentos. “É inconstitucional censurar um livro que ensina prisioneiros sobre como instituições legais, penais e outras moldaram suas próprias vidas e não representam a segurança e a segurança das instalações", alega a organização.

O Departamento prisional do Arizona afirmou que está revisando o livro e dará uma resposta sobre o caso em breve.

Casos semelhantes aconteceram na Carolina do Norte e em Nova Jersey quando o livro "The New Jim Crow: Mass Incarceration in the Age of Colorblindness" (O novo Jim Crow: Encarceramento em massa na era do daltonismo, em tradução livre), escrito por Michelle Alexander foi proibido nas prisões estaduais.

A posição foi revista após denúncias públicas feitas pela ACLU.