Crise na Venezuela
Internacional Procurador-geral anuncia soltura de 24 presos políticos na Venezuela

Procurador-geral anuncia soltura de 24 presos políticos na Venezuela

Opositores de Nicolás Maduro foram presas entre 2014 e 2017. Procurador-geral não divulgou o nome de nenhuma das pessoas que serão soltas

Presos são opositores de Nicolás Maduro

Presos são opositores de Nicolás Maduro

Rayner Pena / EFE - 30.9.2019

Mais de 20 pessoas consideradas pela oposição ao governo de Nicolás Maduro com presos políticos e que tinham detidas entre 2014 e 2017 serão colocadas em liberdade, anunciou nesta quinta-feira (17) o procurador-geral da Venezuela, Tareq Saab.

"Conseguimos a libertação de 24 venezuelanos que deixarão a prisão no dia de hoje", disse o procurador a jornalistas, mas sem revelar os nomes dos beneficiados pela medida, tomada durante uma mesa de diálogo entre o governo e um setor da oposição.

Nos próximos dias, segundo Saab, novos casos serão revistos. Ele lembrou que, desde agosto de 2017, a Comissão de Justiça criada pela presidência conseguiu a libertação de 222 venezuelanos considerados presos políticos.

"Este é um esforço extremamente importante e que envia uma mensagem clara ao país e à comunidade internacional. Estamos dando um passo adiante para conseguir a convivência pacífica, o debate democrático, afastar a violência como mecanismo de combate para acabar com as diferenças", declarou.

O procurador-geral também classificou as libertações como um gesto real do Estado e da Justiça "para que a Venezuela marche por um caminho de cordialidade".

Logo após as declarações de Tareq Saab, pelo menos dois venezuelanos deixaram as prisões da sede do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin), no oeste de Caracas.

A ONG Fórum Penal, responsável pela defesa dos presos políticos na Venezuela, revelou nesta semana que existem 466 pessoas encarceradas no país por razões políticas, uma lista endossada pela Organização dos Estados Americanos (OEA).