Internacional Protestos pró-Navalny terminam com mais de mil presos na Rússia

Protestos pró-Navalny terminam com mais de mil presos na Rússia

Marchas a favor do líder da oposição russa aconteceram em mais de 100 cidades e foram reprimidas pela polícia

  • Internacional | Da EFE

Manifestante pró-Navalny é detido durante protesto em São Petersburgo

Manifestante pró-Navalny é detido durante protesto em São Petersburgo

Anatoly Maltsev / EFE - EPA - 21.4.2021

Mais de 1 mil pessoas foram detidas nesta quarta-feira (21) nas manifestações convocadas em mais de 100 cidades da Rússia para exigir a libertação do líder da oposição Alexei Navalny, segundo o portal "OVD-Info", especializado no monitoramento de prisões e defesa de detidos.

Leia também: Alexei Navalny está 'muito fraco' e não recebe atendimento na prisão

O porta-voz da organização, Konstantin Fomin, disse anteriormente ao portal independente "Meduza" que o número de detidos tinha ultrapassado os 500, mas que devido a problemas técnicos, eles não conseguiam atualizar os dados em sua plataforma.

Assim que o problema foi resolvido, o "OVD-Info" logo informou que já havia pelo menos 1.004 detidos em 82 cidades russas.

Protestos e prisões pelo país

O dia de protestos convocado pela oposição foi realizado de Vladivostok, no Extremo Oriente russo, ao Báltico. Em Moscou, a maior cidade do país, reuniu milhares de pessoas.

O maior número de detenções até agora ocorreu em São Petersburgo (351), seguido por Ufa, capital da Bashkiria, (87) e Sochi, nas margens do Mar Negro (50). Em Moscou, houve pelo menos 20 prisões.

As detenções aconteceram antes mesmo do início dos atos, quando a polícia prendeu a "número dois" de Alexei Navalny, Lyubov Sobol, no início da manhã, que só foi libertada à noite (hora local), além da porta-voz do líder da oposição, Kira Yarmysh.

As manifestações reuniram mais de 14 mil pessoas em toda a Rússia, de acordo com dados fornecidos pelas autoridades.

Em Moscou, 6,5 mil pessoas participaram do ato, e em São Petersburgo foram 4,5 mil, embora a equipe de Navalny tenha dito que esses números deveriam ser multiplicados por dez.

Últimas