Rússia x Ucrânia

Internacional Putin confirma que tropas russas tomaram o controle da cidade de Mariupol: 'Sucesso'

Putin confirma que tropas russas tomaram o controle da cidade de Mariupol: 'Sucesso'

Governo ucraniano ainda não se manifestou sobre a perda do território, considerado uma região estratégica na guerra

  • Internacional | Do R7, com informações da AFP

Vladimir Putin confirma a tomada russa da cidade de Mariupol

Vladimir Putin confirma a tomada russa da cidade de Mariupol

Mikhail Klimentyev/Sputnik/AFP - 12.4.2022

O presidente russo, Vladimir Putin, confirmou nesta quinta-feira (21) que suas tropas assumiram "com sucesso" o controle da cidade ucraniana de Mariupol e ordenou que cercassem os últimos combatentes escondidos na planta industrial de Azovstal, sem realizar um ataque.

"O fim do trabalho de libertação de Mariupol é um sucesso", disse Putin a seu ministro da Defesa, Sergei Shoigu, em uma reunião transmitida pela televisão.

O presidente russo também lhe disse que preferia sitiar os últimos combatentes ucranianos na fábrica de Azovstal, porque um ataque tiraria muitas vidas. A área é composta por uma extensa rede de galerias subterrâneas.

"Considero que o ataque proposto à zona industrial não é apropriado. Ordeno cancelá-lo", disse Putin. "Você tem que pensar (...) sobre a vida de nossos soldados e oficiais, você não precisa entrar nessas catacumbas e rastejar no subsolo", continuou ele. "Bloqueie toda a área para que nem uma mosca passe", ordenou.

Nestas grandes instalações industriais ainda existem 2.000 soldados ucranianos, segundo o ministro da Defesa russo. Putin prometeu salvar a vida daqueles que se renderem. "Proponho mais uma vez a todos aqueles que não depuseram as armas que o façam, o lado russo garante suas vidas e ser tratado com dignidade", disse ele.

Os ultimatos anunciados pela Rússia, porém, não provocaram a rendição dos soldados. Um de seus comandantes, Sviatoslav Palamar, do batalhão Azov, pediu "garantias" de segurança aos países ocidentais para deixar o local, onde, segundo Kiev, também estão quase 1.000 civis.

Governo ucraniano ainda não se manifestou sobre a perda do território, considerado uma região estratégica para na guerra.

Últimas