Putin defende 'relações normais' com EUA ao receber embaixador

O presidente da Rússia disse que as relações bilaterais normais e construtivas é do interesse não só da Rússia e dos EUA, mas de todo o mundo

Putin na cerimônia para receber credenciais de embaixadores estrangeiros nomeados para a Rússia

Putin na cerimônia para receber credenciais de embaixadores estrangeiros nomeados para a Rússia

EFE/EPA/Alexey Nikolsky/Spitnik/Kremlin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu nesta quarta-feira (5) a volta de "relações normais" com os Estados Unidos ao receber a carta credencial do novo embaixador americano no país, John Sullivan.

Leia mais: Putin busca fortalecer influência russa no Oriente Médio

"É muito claro para nós que o retorno a relações bilaterais normais e construtivas é do interesse não só da Rússia e dos EUA, mas de todo o mundo", disse o governante em discurso transmitido ao vivo pela televisão.

Putin ressaltou que o estado das relações entre Moscou e Washington "depende, em grande parte, da paz e da segurança no planeta".

"A Rússia está pronta para iniciar um diálogo substancial com a parte americana, inclusive nos âmbitos de controle de armas, estabilidade estratégica e questões relacionadas com a luta contra o terrorismo e a resolução pacífica de crises regionais", explicou.

O mandatário russo disse estar "convicto" de que a cooperação entre os dois países precisa se basear "na igualdade, no respeito à soberania e na não interferência em assuntos internos".

Sullivan, 60 anos e secretário de Estado em exercício de março a abril de 2018, substitui John Huntsman, que deixou a delegação diplomática americana em outubro do ano passado.

Como subsecretário de Estado dos EUA, de 2017 a 2019, Sullivan liderou o grupo que discutiu com Moscou questões de "segurança estratégica e luta contra o terrorismo".

Ao receber as cartas credenciais de outros embaixadores, Putin também advertiu que o mundo está enfrentando uma perigosa encruzilhada devido ao agravamento dos conflitos regionais, à crescente ameaça do terrorismo e à destruição do sistema de controle de armas.

Por esta razão, disse que a Rússia continuará a defender o acordo nuclear com o Irã, pacto que foi abandonado pela Casa Branca.

"Consideramos este acordo internacional de importância crítica para a estabilidade global e regional", enfatizou, ao expressar ao novo embaixador iraniano a intenção da Rússia de reforçar a cooperação na luta contra o terrorismo internacional e a favor da regulação na Síria.

Putin também revelou a vontade de melhorar as relações com o Reino Unido, dizendo que o nível atual "dificilmente" pode satisfazer ambos os lados.