Internacional Putin discutirá com Biden direitos humanos e ataque ao Capitólio

Putin discutirá com Biden direitos humanos e ataque ao Capitólio

Relação entre os países está estremecida devido a expulsão de diplomatas e outras questões internacionais

Primeira reunião dos líderes ocorrerá em 16 de junho

Primeira reunião dos líderes ocorrerá em 16 de junho

AFP

A Rússia afirmou nesta segunda-feira (31) que quer abordar, na primeira reunião em 16 de junho entre Vladimir Putin e Joe Biden, assuntos como os direitos humanos e o julgamento dos promotores do ataque ao Capitólio, em 6 de janeiro.

"Estamos preparados para discutir e não temos assuntos tabus. Falaremos do que consideramos pertinente e estaremos prontos para responder qualquer pergunta da parte americana. Isso envolve também os direitos humanos", afirmou em coletiva de imprensa o chefe das Relações Exteriores russo, Serguéi Lavrov.

Lavrov disse ainda que seu governo está disposto a discutir "os problemas que existem nos Estados Unidos" e "muito interessado no julgamento dos acusados pelos distúrbios de 6 de janeiro", quando militantes pró-Trump desencadearam uma invasão violenta ao Capitólio em Washington.

Nos Estados Unidos, "estão acontecendo muitas coisas realmente interessantes, inclusive a partir de uma perspectiva dos direitos humanos, dos direitos da oposição, e da proteção desta oposição", respondeu Lavrov à pergunta de um jornalista sobre se Moscou estava preparada para abordar a situação da oposição e os direitos humanos na Rússia, durante a conversa entre Putin e Biden.

Esses comentários ocorrem depois que Biden prometeu, no domingo, dizer a Putin que os EUA não "ficarão de braços cruzados enquanto" a Rússia "viola" os direitos humanos.

As relações entre Rússia e Estados Unidos estão em seu nível mais baixo, devido aos grandes desacordos sobre os mais transcendentes assuntos internacionais: expulsões cruzadas de diplomatas, acusações de interferência eleitoral, espionagem e, inclusive, ciberataques atribuídos a Moscou.

Últimas