Quais são os principais pontos de atrito entre China e EUA

Confrontos diplomáticos, guerra comercial, acusações sobre o coronavírus: tensões entre as duas potências mundiais não pára de crescer

Bandeiras dos EUA e da China lado a lado: tensões em vários campos

Bandeiras dos EUA e da China lado a lado: tensões em vários campos

Damir Sagolj / Reuters - 9.11.2017

As ordens de fechamento de consulados entre China e Estados Unidos são o capítulo mais recente das crescentes tensões entre as duas principais potências mundiais, cujas relações não param de piorar.

Quais são os principais pontos de conflito entre Pequim e Washington? Além dessa luta diplomática, a guerra comercial, o coronavírus e até possíveis confrontos militares têm sido até agora as chaves para entender o que acontece entre os dois países.

Consulados

Washington exigiu o fechamento do consulado chinês em Houston (Texas, sul dos Estados Unidos) sob acusação de espionagem. Os EUA dizem que Pequim utilizava a sua representação no Texas para coordenar a chegada de estudantes enviados pelo Exército Popular de Libertação para obter conhecimento que lhes permitisse ganhar vantagem militar e que fraudes de visto tinham sido cometidas.

A resposta da China, que nega as queixas dos EUA, é a esperada: embora houvesse especulações de que eles ordenariam o fechamento do consulado dos EUA em Wuhan ou mesmo em Hong Kong, a ordem de fechamento foi finalmente dirigida à representação norte-americana em de Chengdu, capital da província central de Sichuan.

Guerra comercial

As tensões aumentam nos últimos meses, mas o relacionamento piora desde março de 2018, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, decidiu impor tarifas sobre produtos importados da China por considerar que a balança comercial entre os dois países era desequilibrada, iniciando uma guerra comercial ainda ativa.

Apesar de em janeiro passado, pouco antes da pandemia do covid-19 estar fora de controle, a "primeira fase" de um acordo China-EUA foi assinada para resolver esse conflito, o impacto do coronavírus dificultou o cumprimento da China. os compromissos assumidos, então Trump garantiu recentemente que não estava mais pensando em uma possível "segunda fase".

Trump x Xi: escalada começou com tarifas sobre produtos chineses nos EUA

Trump x Xi: escalada começou com tarifas sobre produtos chineses nos EUA

Kevin Lamarque / Reuters - 29.6.2019

Huwaei

Mas a disputa entre os dois países transcende o plano comercial, como evidenciado pelo fato de a gigante tecnológica chinesa Huawei estar no olho do furacão, já que Washington considera um perigo para a segurança nacional devido a suspeitas de seus laços com a inteligência do país asiáticos. A empresa afirma que a acusação é infundada.

Os EUA lançaram uma campanha internacional — por enquanto, com sucesso em países como o Reino Unido — para impedir que a Huawei assuma a implantação de redes de quinta geração (5G). Também impôs sanções à empresa, que a impediram, por exemplo, de usar qualquer serviço do Google, como o sistema operacional Android, em seus smartphones.

Coronavírus

Mas se, em janeiro, a mencionada "primeira fase" do acordo comercial parecia ser a luz no fim do túnel para os problemas entre Pequim e Washington, a pandemia do novo coronavírus se encarregou de anular qualquer esperança.

Os EUA acusaram a China de esconder o vírus em seus estágios iniciais e de manipular a OMS (Organização Mundial da Saúde) a seu favor.

SAIBA MAIS: A 'guerra das vacinas' é o novo capítulo da disputa EUA x China

Tanto é assim que Trump anunciou a saída da OMS de seu país, de longe o mais afetado no mundo, segundo dados oficiais, enquanto Pequim insiste que avisou o mundo a tempo. Autoridades chinesas repetem que a falta de controle do coronavírus no país norte-americano se deve precisamente à Casa Branca ignorar esses avisos e lidar mal com a emergência de saúde.

Conflito militar

Embora a China e os Estados Unidos não tenham entrado em nenhum conflito militar direto e não pareça que isso ocorra tão cedo, as reivindicações marítimas de Pequim para o Mar da China Meridional provocaram uma resposta negativa de Washington, que não está disposta a ceder o controle estratégico da região.

Da mesma forma, as tensões entre China e Taiwan continuam a crescer, já que Pequim considera inevitável a reunificação com o resto do país do que considera uma província rebelde e não renuncia a possibilidade de fazê-lo à força.

Já os Estados Unidos, que protege Taiwan extra-oficialmente já que não possui relações diplomáticas "de jure" com Taipei, continua a vender armas para a ilha, apesar dos protestos chineses.

Episódio no Mar da China: Navios dos EUA e da China quase se chocaram

Episódio no Mar da China: Navios dos EUA e da China quase se chocaram

U.S. Navy

Ideologias

Washington já reconhece abertamente que seu objetivo é "induzir mudanças" na China, considerando que, se não for bem-sucedido, o mundo não poderá se considerar seguro. A Casa Branca cita como exemplos a violação dos direitos humanos em Xinjiang e a redução das liberdades em Hong Kong, assuntos sobre os quais as duas potências também entraram em conflito.

Enquanto Pequim afirma que protege sua soberania com a lei de segurança nacional de Hong Kong, Washington considera que os compromissos que levaram ao fim do trato colonial com o Reino Unido foram violadas.

Sobre o tratamento às minorias muçulmanas em Xinjiang, a China nega categoricamente que sejam vítimas de prisões em massa, trabalho forçado ou controles populacionais, conforme denunciado pelos EUA.